R7 Planalto PF investiga transação financeira da cúpula do Aliança pelo Brasil

PF investiga transação financeira da cúpula do Aliança pelo Brasil

Depoimento de Luís Belmonte confirma transações para empresas de Sérgio Lima, marqueteiro do partido idealizado pelo presidente Jair Bolsonaro

Luis Felipe Belmonte, operador político do Aliança pelo Brasil

Luis Felipe Belmonte, operador político do Aliança pelo Brasil

WERTHER SANTANA-24.09.2018/Estadão Conteúdo

A PF (Polícia Federal) investiga uma transação feita pelo empresário e advogado Luís Felipe Belmonte, principal operador político do Aliança pelo Brasil, e o publicitário Sérgio Lima, marqueteiro do partido que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tenta criar.

A investigação se dá no inquérito dos atos antidemocráticos, que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal), com relatoria do ministro Alexandre de Moraes. O depoimento de Belmonte ocorreu em 20 de outubro de 2020. 

Leia mais: Deputado e blogueiro são alvos da PF no caso de atos antidemocráticos

Na ocasião, Belmonte confirmou transferências que somam R$ 805 mil para S8 Sampa e HH Cosmético e Perfumes (atual Inclutech Tecnologia da Informação), empresas de Lima. O empresário justificou a transação como pagamento de serviços prestados por Lima como criação de site e administração de redes sociais.

Belmonte confirmou, também, que foi convidado por Lima para integrar o quadro societário da empresa S8 Sampa. Ele disse que aceitou a proposta, mas que recusou a cláusula que estabelecia a possibilidade de conversão do empréstimo em participação na empresa. Os contratos referentes ao ato são em torno de R$ 1,5 milhão e o advogado disse não se lembrar da forma de transferência dos valores.

Veja também: Sem Aliança pelo Brasil, Bolsonaro cogita se filiar a partido para 22

Procurado pela reportagem, Belmonte confirmou a contratação da empresa de Lima, com “repasses em razão do contrato, para administração de redes, sites e etc, em abril de 2019”. O advogado argumenta que não há nenhuma relação com o partido Aliança pelo Brasil, idealizado em outubro do mesmo ano.

“A operação com o Sérgio foi de natureza privada, particular e comercial, registrado em contrato e declarada à Receita Federal, regularmente”, disse. Belmonte acrescentou que não há nenhuma investigação apontando sonegação fiscal ou lavagem de dinheiro. Por fim, afirmou que é contra qualquer ato contra a democracia ou instituições democráticas. “A única coisa que é falado no inquérito é que eu apoio movimentos em favor do presidente."

STF

Em junho, a Polícia Federal cumpriu 21 mandados de busca e apreensão para o inquérito que investiga os atos antidemocráticos. Dentre os alvos, estão Belmonte e Lima.

Os mandados foram expedidos pelo ministro Moraes a pedido da PGR. Houve cumprimento de mandados em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão, Santa Catarina e no Distrito Federal.

Últimas