PF pede prorrogação de inquérito de interferência de Bolsonaro no órgão

Investigação foi aberta em abril, após as acusações feitas por Sergio Moro. Presidente nega e alega que se referia à sua segurança pessoal

Na imagem, o presidente Jair Bolsonaro

Na imagem, o presidente Jair Bolsonaro

Adriano Machado/Reuters - 01.09.2020

A PF (Polícia Federal) solicitou, nesta quarta-feira (2), ao STF (Supremo Tribunal Federal) a prorrogação por mais 30 dias do inquérito que investiga possível interferência política do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na instituição. 

O inquérito foi aberto em abril, após as acusações feitas por Sergio Moro ao pedir demissão do cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública.

Até o momento, uma série de depoimentos foi tomada e também tornado público um vídeo, por determinação de Celso de Mello, de uma reunião ministerial do dia 22 de abril, em que o ex-juiz da Lava Jato disse ter sido ameaçado por Bolsonaro de demissão diante da pressão por troca na PF. O presidente nega as acusações e alegou, na época, que se referia à sua segurança pessoal.

A reportagem busca contato com a Presidência da República. O espaço está aberto para manifestação.

Leia mais: Licença de Celso de Mello deve interferir nos julgamentos do STF

O inquérito que apura suposta interferência de Bolsonaro na PF já foi prorrogado duas vezes. Em 1º de julho, o ministro Celso de Mello autorizou a prorrogação da investigação. No dia 8 do mês anterior, o decano também ampliou o prazo das apurações.

Uma das diligências que a PF pretende realizar é o depoimento de Bolsonaro. O procurador-geral da República, Augusto Aras, havia dado aval para que o presidente prestasse suas declarações sobre a investigação.