R7 Planalto Presidente da CPMI das Fake News não vê motivos para parar atividade

Presidente da CPMI das Fake News não vê motivos para parar atividade

Supremo Tribunal Federal analisa mandado de segurança impetrado que tenta anular a prorrogação do prazo de encerramento da Comissão

Na imagem, senador Angelo Coronel, que preside a CPMI das Fake News

Na imagem, senador Angelo Coronel, que preside a CPMI das Fake News

Geraldo Magela/Agência Senado 27.02.2019

O presidente da CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das Fake News, senador Angelo Coronel (PSD-BA), afirmou nesta quarta-feira (22) que não vê motivos para uma interferência dos trabalhos do grupo.

“Não vejo motivos para o STF interferir nos trabalhos da sequência da CPMI, visto que eles também são vítimas”, disse ao R7 Planalto, enquanto aguarda a decisão da Suprema Corte sobre a ação que tenta anular a prorrogação do prazo de encerramento dos trabalhos da Comissão.

Leia mais: "Perigo das Eleições 2020 serão os deepfakes", diz senador

A ação, movida pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), trata-se de um mandado de segurança. O parlamentar alega que a Comissão tem se prestado a perseguir apoiadores do governo federal.

A CPMI das Fake News começou com as atividades em setembro de 2019, com o término no dia 14 de abril. No entanto, 34 senadores e 209 deputados assinaram no início deste mês um requerimento que prorrogava os trabalhos do grupo por mais 180 dias.

“Lembro que a prorrogação foi uma decisão do Congresso Nacional e que a mim, como presidente do colegiado, cabe apenas acatar a decisão que for tomada pela Suprema Corte”, acrescenta.

Últimas