Novo Coronavírus

R7 Planalto Rede aciona STF para que Anvisa aprove CoronaVac em 72 horas

Rede aciona STF para que Anvisa aprove CoronaVac em 72 horas

Ação foi protocolada nesta segunda-feira (11). Partido quer também informações dos processos de registro de outras vacinas 

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar, do R7

Na imagem, CoronaVac, vacina contra covid-19

Na imagem, CoronaVac, vacina contra covid-19

Amanda Perobelli/Reuters

O partido Rede Sustentabilidade protocolou, nesta segunda-feira (11), ação junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) apresente, em até 72 horas, o registro do uso emergencial da CoronaVac, vacina contra a covid-19 produzida pela parceria entre Instituto Butantan e laboratório chinês Sinovac.

A sigla pede também que a Anvisa apresente o atual estágio procedimental do registro emergencial das vacinas CoronaVac e CoviShield (Oxford/AstraZeneca), solicitada pela Fundação Oswaldo Cruz, “demonstrando, de forma comparativa, a documentação solicitada e apresentada, para assegurar total transparência do procedimento”.

A Anvisa informou que recebeu o pedido de autorização para uso emergencial da CoronaVac na última sexta-feira (8). A Fiocruz também fez a solicitação da CoviShield no mesmo dia. A agência terá 10 dias para aprovar cada pedido. Dessa forma, o prazo vai até o dia 18 de janeiro.

"Tais fatos relevantes indicam que a CoronaVac é, ao que consta, cientificamente segura e eficaz para a imunização da população mundial contra o coronavírus. E, de acordo com os testes e inúmeros relatórios empreendidos e entregues pelo Instituto Butantan à Anvisa, todas as comprovações estão devidamente documentadas e podem ser cientificamente aferidas, razão por que não se deveria cogitar de empecilhos indevidos à aprovação do uso emergencial do imunizante no Brasil", afirma o documento da Rede.

"Então, entende-se que mais essa dose de atuação errática do governo federal - dentre tantos outros exemplos durante o combate à pandemia - merece a intervenção imediata do Supremo Tribunal Federal na defesa do povo brasileiro, para que receba a mesma proteção que a população dos demais países já estão recebendo, não sendo privado de qualquer imunizante cientificamente viável por opções meramente político-partidárias de um ou outro chefe de governo. Não se deveria falar em política quando o que está à mesa é a ciência mundial de ponta, que pode salvar a vida de milhares de cidadãos brasileiros", acrescenta.

Últimas