CPI da Covid

R7 Planalto Relator destaca contradições do depoimento de Marcelo Queiroga

Relator destaca contradições do depoimento de Marcelo Queiroga

Oitiva do Ministro da Saúde à CPI da Covid no Senado Federal ocorreu pela segunda vez nesta terça-feira (8)

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar e Mariana Londres, do R7

Na imagem, ministro Marcelo Queiroga (Saúde)

Na imagem, ministro Marcelo Queiroga (Saúde)

Adriano Machado/Reuters - 08.06.2021

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), elaborou na tarde desta terça-feira (8º) contradições e destaques do segundo depoimento do ministro Marcelo Queiroga (Saúde).

Entre as contradições, estão: realização da Copa América, distanciamento social e uso de máscara e tema voltado à Secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, entre outros assuntos.

Veja, abaixo, as contradições e destaques apontadas pelo relator:

1) Alterações de curso no Ministério da Saúde

Declaração: Ampliação da vacinação, aquisição de 100 milhões de doses de vacinas, previsão de que toda a população do Brasil esteja vacinada até o fim do ano; Não cabe ao Ministério da Saúde agir como censor do presidente da República; Jair Bolsonaro é constantemente orientado ao uso de máscara e isolamento social.

Destaque: Apesar das orientações e normas do Ministro da Saúde, o presidente da República continua a romper compromissos nesse sentido e a descumprir as normas e orientações.

2) Copa América

Declaração: Não há riscos adicionais em desfavor de jogadores ou comissões técnicas desportivas, uma vez que os protocolos foram avaliados pelo Ministério da Saúde e aprovados; A Copa América tem cerca de 650 atletas e pessoas envolvidas; Não é um evento de grandes proporções; A vacinação não será obrigatória

Contradição: Considerando-se apenas jornalistas, mais de duas mil pessoas solicitaram credenciamento. O Brasil é o país com mais mortes de jornalistas pela covid-19, segundo a Fenaj.

3) Distanciamento social e uso de máscara

Declaração: O Ministério da Saúde tem estratégias de comunicação claras e em favor do distanciamento social e do uso de máscaras.

Contradição: Governo Federal gastou R$ 5 milhões com campanhas de vacinação enquanto os vídeos para “retomar atividades” consumiram mais de R$ 30 milhões e sobre o tema “atendimento precoce” receberam quase R$ 20 milhões de reais.

Atenção: Afirma que orientou o presidente Bolsonaro a respeito de medidas não farmacológicas, como restrições e distanciamento social.

4) ADI 6855

Declaração: Medidas de controle da pandemia são de competência concorrente da União, Estados e Municípios; Presidente da República disse ao depoente que era contra toque de recolher.

Destaque: Não foi consultado pelo presidente da República sobre a ADI contra o lockdown nos estados; Ministério da Saúde vai recomendar a adoção de medidas restritivas e de distanciamento social a entes subnacionais.

5) Secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19

Declaração: Não há titular nomeado; Ministro exerce as competências; Afirma que tem autonomia para nomeação do titular do cargo e que não nomeou Luana Araújo por “vontade própria” e não por ordem da Casa Civil, que havia inclusive aprovado o nome; Não há infectologistas no quadro do Ministério da Saúde.

Contradição: Luana Araújo, sob juramento, afirmou que o ministro a avisou que seu nome teria sido vetado pela Casa Civil. O próprio depoente, na inquirição anterior, afirmou que todos os cargos precisariam ser validados pela Casa Civil e dependiam também de critérios políticos.

Atenção: O depoente confirmou não ter dispensado militares ocupantes de cargos técnicos, os quais poderiam estar sendo ocupados por médicos infectologistas.

6) Cloroquina

Declaração: Admitiu que não há evidência comprovada da eficácia do tratamento precoce; Diz que “não conseguiria” exonerar a médica Mayra Pinheiro.

Atenção: Declara não ter tido força para nomear Luana Araújo e, em contrapartida, não ter autonomia para exonerar Mayra.

7) Validade de testes

Declaração: Cerca de 2 milhões de testes foram vencidos, mas serão repostos pelo fabricante sem custos adicionais.

Destaque: O depoente se omitiu ao ser questionado quanto aos motivos pelos quais o fabricante substituiria, sem custos, os testes vencidos.

8) Posição do ministério sobre tratamento precoce

Declaração: É contrário ao uso dos medicamentos para tratamento precoce cuja eficácia não seja comprovada; O protocolo da covid-19 pela Conitec já teve a primeira fase terminada e deve ser concluída a fase seguinte em breve; A nota informativa nº 17/2020 perdeu seu objeto e não precisa sequer ser revogada porque, segundo a AGU, não tem mais validade.

Atenção: Diante da não revogação expressa da nota informativa nº 17/2020 não fica claro o posicionamento do Ministério da Saúde em relação ao tratamento precoce, causando confusão e instabilidade na adoção de protocolos de tratamento pelas mais diversas instituições e pelos profissionais de saúde.

9) Gabinete paralelo

Declaração: Nise Yamaguchi: tratou com ela uma vez no Ministério da Saúde, quando ela entregou um trabalho sobre a covid-19 em Cuba; Conhece Carlos Bolsonaro, Carlos Wizard e Osmar Terra.

Destaque: Diante dos vídeos do Osmar Terra falando sobre a pandemia, admite que esteve com o deputado para tratar sobre tratamento sorológico.

10) Butanvac

Declaração: Vem mantendo tratativas para adquirir a Butanvac.

Atenção: Ao falar de vacinas, disse que desconfia da efetividade da vacina Coronavac e declara que investir na Butanvac seria a melhor opção para o Brasil.

11) Bulas de vacinas

Declaração: Vem recomendando e utilizando a aplicação de vacinas fora das recomendações das bulas.

Atenção: o depoente confirmou estar usando vacinas de forma divergente àquela prescrita em bula.

Últimas