Reunião com Bolsonaro sela permanência de Regina Duarte 

Atriz tomou posse como secretária-especial de Cultura em 4 de março e estava em situação delicada após nomeação que a desagradou 

Na imagem, Regina Duarte em reunião com Jair Bolsonaro

Na imagem, Regina Duarte em reunião com Jair Bolsonaro

Isac Nóbrega / PR / 06.05.2020

Uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) selou a permanência da atriz Regina Duarte no cargo de secretária-especial da Cultura nesta quarta-feira (6). Ela se reuniu, às 11h, com o residente do Palácio da Alvorada e com Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo.

No encontro, segundo fontes, o presidente conseguiu reverter o desgaste que vinha tendo com a secretária. A conversa entre presidente, secretária e ministro foi classificada por auxiliares como "ótima". A atriz continua no cargo e aproveitou o encontro para apresentar projetos.

Bolsonaro afastou a possibilidade de volta de Dante Mantovani para a presidência da Funarte. A nomeação dele de volta ao cargo foi publicada e depois tornada sem efeito nesta terça-feira. O ato desagradava Duarte, que tirou Mantovani do cargo ao assumir a secreataria especial de Cultura.  

Duarte estava numa situação delicada por não ter muito diálogo com Bolsonaro e por não apresentar ações práticas em sua área. Críticos argumentam que não há, até o momento, um projeto de grande porte feito pela atriz, que comanda a secretaria há quase dois meses.

Leia mais: Após ausência em discurso, Regina Duarte diz que mantém apoio a Bolsonaro: 'juntos pelo Brasil'

Antes de assumir o posto, Duarte tratava do pedido feito pelo presidente como um "casamento". A atriz foi convidada para assumir a pasta ao menos duas vezes.

O "sim" dito pela atriz ocorreu em 29 de fevereiro e a posse, 4 de março. A expectativa inicial era de que Duarte apaziguasse a relação entre governo federal e a categoria. 

Regina Duarte assumiu o posto antes comandado por Roberto Alvim, demitido em 17 de janeiro após publicar um vídeo em que copiava trechos de um discurso nazista e utilizava diversos elementos em referência ao regime totalitário, como o música de Richard Wagner, artista antissemita associado ao nazismo.