R7 Planalto Reunião de Alcolumbre com ministros do STF teve abraço e aperto de mão

Reunião de Alcolumbre com ministros do STF teve abraço e aperto de mão

No encontro, houve abraços e vários presentes apertaram as mãos. Ministros estão em isolamento e aguardam resultados

  • R7 Planalto | Clébio Cavagnolle, da Record TV, com Mariana Londres

Reunião de Alcolumbre com ministros do STF teve abraço e aperto de mão

Reunião de Alcolumbre com ministros do STF teve abraço e aperto de mão

Reprodução/Record TV

O resultado positivo para coronavírus do presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP) colocou em isolamento os ministros do Supremo que estiveram na reunião de segunda-feira (16), marcada justamente para discutir a pandemia. Além de sete dos ministros da Suprema Corte, seis deles fazem parte do grupo de risco, estavam no encontro o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o presidente do STJ, João Otávio de Noronha e o Advogado-Geral da União, André Mendonça. 

A Record TV cobriu o encontro. Nas imagens captadas pela câmera, nem todas vão ao ar, pudemos ver abraços e apertos de mão. A ministra Cármen Lúcia sentou ao lado do presidente do Senado. Havia álcool gel na mesa, e o ministro Luís Roberto Barroso passou nas mãos. 

À reportagem, o ministro Barroso disse que não apertou as mãos e nem abraçou o presidente do Senado, ou os demais presentes: "Na chegada eu disse ao presidente Alcolumbre: primeira vez que a gente se vê e não podemos nos cumprimentar".

Após o resultado positivo de Alcolumbre, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, e os demais ministros que estavam no encontro estão em isolamento. A ministra Cármen Lúcia aguarda o resultado do exame e disse ao repórter Clébio Cavagnolle que está bem fisicamente. Ela ainda mostrou preocupação em relação aos jornalistas: "Você também se cuide porque vocês andam e encontram muita gente". 

Barroso e Gilmar Mendes também estão isolados aguardando resultado. A reportagem ainda não obteve resposta dos demais ministros. 

Estavam na reunião de segunda os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Edson Fachin, Rosa Weber, Barroso, Cármen Lúcia e Luiz Fux. Com exceção de Toffoli, que tem 52 anos, todos estão no grupo de risco do coronavírus. Gilmar Mendes tem 64, Fachin tem 62, Rosa Weber tem 71 anos, Barroso tem 62, Cármen Lúcia tem 65 e Fux tem 66 anos. Lewandowski, de 72, havia contrariado a recomendação de Toffoli e desde terça-feira (17) anunciou que não participaria de reuniões, faria trabalho remoto e dispensaria funcionários para fazer o mesmo. Barroso também havia defendido o teletrabalho. 

Últimas