CPI da Covid

R7 Planalto Ricardo Barros pede à PF que investigue vazamentos da CPI

Ricardo Barros pede à PF que investigue vazamentos da CPI

Para líder do governo na Câmara, crimes supostamente cometidos são vazamento de dados sigilosos e abuso de autoridade

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar, do R7

Na imagem, deputado Ricardo Barros (PP-PR)

Na imagem, deputado Ricardo Barros (PP-PR)

Adriano Machado/Reuters - 12.08.2021

O deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, informou nesta segunda-feira (16) que acionou a PF (Polícia Federal) para investigar supostos vazamentos de informações sigilosas da CPI da Covid no Senado.

“Requer seja instaurado inquérito policial e, após serem apuradas as irregularidades apontadas, ao final haja a condenação em eventual ação penal, aplicando-se as sanções de perda do cargo, da função pública ou do mandato eletivo ao Parlamentar ou servidor público responsável (art. 92, do Código Penal)”, diz o documento.

De acordo com o líder do governo, a imprensa recebeu dados sigilosas relativos às investigações em curso na CPI. “Troca de mensagens e áudios sob responsabilidade da comissão basearam reportagens divulgadas no fim de semana”, disse Barros.

Para o parlamentar, são dois crimes supostamente cometidos: vazamento de dados sigilosos e abuso de autoridade. “A CPI se utiliza de estratégia covarde para politizar a investigação com o objetivo de me atingir e atingir o governo Bolsonaro”, avalia.

Depoimento

O líder do governo prestou depoimento à CPI da Covid na última quinta-feira (12). A oitiva foi marcada por bate-boca, interrompida e vai continuar em uma nova data – ainda não marcada. Barros agora vai falar como convocado e não mais como convidado, anunciou o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM).

Ex-ministro da Saúde na gestão Michel Temer e um principais nomes do centrão, Barros foi chamado para esclarecer suspeitas de ilegalidades no processo de compra da vacina Covaxin. Na ocasião, o deputado disse que não houve corrupção, pois a compra do imunizante não foi efetivada.

Últimas