R7 Planalto RN: Fux julga incabível suspensão de decisão que manteve Réveillon

RN: Fux julga incabível suspensão de decisão que manteve Réveillon

Presidente do STF explicou que não é possível a manifestação do STF sobre o mérito, tarefa que cabe ao tribunal competente

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar, do R7

Resumindo a Notícia

  • Fux julga incabível suspensão de decisão que manteve réveillon
  • Presidente do STF diz que não é possível manifestação sobre o mérito
  • Decisão é sobre festa de Ano-Novo em Pipa, no Rio Grande do Norte
  • Estado registra aumento de casos de covid-19
Na imagem, ministro Luiz Fux (STF)

Na imagem, ministro Luiz Fux (STF)

Nelson Jr./SCO/STF - 17.12.2020

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, negou seguimento a um pedido feito pelo MP-RN (Ministério Público do Rio Grande do Norte) para suspender uma decisão que permitia a realização de uma festa particular de Ano-Novo na praia de Pipa (RN).

O MP-RN ajuizou uma ação civil pública, com pedido de tutela provisória de urgência, contra o município de Tibau do Sul e a empresa Let’s Pipa Entretenimento Ltda., com o objetivo de impedir a realização da festa. A liminar foi concedida em primeira instância para suspender o evento, mas o relator de recurso no Tribunal de Justiça do RN cassou a decisão.

No pedido ao STF, o MP argumenta que a decisão permitiria aglomerações na praia de Pipa, que facilitariam a transmissão da covid-19, além do aumento do número de casos da doença no Estado.

Ao negar seguimento, Fux disse que a impossibilidade de que os pedidos de contracautela sejam utilizados como substitutivos dos recursos. O ministro explicou que não é possível a manifestação do STF sobre o mérito, tarefa que cabe ao tribunal competente.

A reportagem tenta contato com os envolvidos. O espaço está aberto para manifestação.

Últimas