Salário mínimo será de R$ 1.045, para repor perdas com a inflação

Equipe econômica do governo Bolsonaro refez as contas e decidiu manter o poder de compra do salário mínimo de 2020, que vale para fevereiro

Equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, refez as contas e reviu reajuste do mínimo

Equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, refez as contas e reviu reajuste do mínimo

Adriano Machado/Reuters - 5.11.2019

O governo Bolsonaro refez as contas, e autorizou um novo reajuste para o salário mínimo de 2020. O novo valor será de R$ 1.045. Até esta terça-feira (14), o mínimo estabelecido pelo governo era de R$ 1.039. O reajuste havia sido feito com a projeção da inflação pelo INPC, que acabou sendo maior em função da alta nos preços das carnes no final do ano. 

O novo valor só entrará em vigor a partir de 1º de fevereiro, porque uma nova medida provisória será editada. 

O martelo sobre o reajuste foi batido após duas reuniões entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Bolsonaro: uma no Palácio do Planalto no início da tarde, e outra no Ministério da Economia, para onde o presidente Bolsonaro se deslocou, no final da tarde. 

Além da reposição pelo INPC (Índice de Preços ao Consumidor) de 2019, que fechou em 4,48%, também foi incorporado um resíduo de 2018 (porcentagem do INPC daquele ano que não havia sido levada em conta no reajuste do mínimo de 2019). Com os aumentos, portanto, o poder de compra do salário mínimo fica igual ao que era no final de 2018. O total do reajuste do valor do mínimo de 2019 para 2020 ficou em 4,71%, já que em 2019, o salário mínimo estava em R$ 998.