STF

R7 Planalto Senadores pressionam Alcolumbre por sabatina de Mendonça

Senadores pressionam Alcolumbre por sabatina de Mendonça

Presidente da CCJ do Senado tem resistido em marcar sessão com indicado ao STF e tenta emplacar em seu lugar Augusto Aras

Na imagem, André Mendonça

Na imagem, André Mendonça

José Dias/PR – 23.04.2020

Senadores têm pressionado o presidente da CCJ (Comissão de Constituição) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para agendar a sabatina de André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para ocupar uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal).

Logo no início da reunião da CCJ nesta quarta-feira (15), o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) questionou Alcolumbre e afirmou que a Casa tem o dever constitucional de analisar indicações da Presidência. “Nós não podemos ser responsabilizados por um eventual empate de 5 a 5 no Supremo em determinadas circunstâncias. Acho que é do nosso dever, independentemente da posição de cada um, a sabatina é do nosso dever”, disse.

A fala do senador se dá em decorrência da aposentadoria de Marco Aurélio Mello em 12 de julho. Desde então, o STF está com 10 ministros em sua composição, o que abre espaço para empates em votações.

Dias foi apoiado por demais senadores, como Esperidião Amin (PP-SC), Soraya Thronicke (PSL-MS) e Eliziane Gama (Cidadania-MA). Pré-candidato à presidência da República em 2022, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) também cobrou Alcolumbre.

“Eu solicito que Vossa Excelência expresse para essa comissão e para o Brasil quais são as razões republicanas para que se tenha o maior retardo da história na realização da sabatina do indicado. E faço questão de relembrar que a indicação de nomes para o Supremo é atribuição do Presidente da República”, disse Vieira.

“A atribuição do Senado é sabatinar esse nome e garantir que ele tenha os requisitos constitucionais para a ocupação do cargo. Não cabe ao Senado interferir na indicação nem negociar nomes na indicação”, completou.

Em resposta aos senadores, o presidente da CCJ informou que não há data prevista para a sabatina. Alcolumbre, contudo, é contrário à indicação de Mendonça e trabalha para emplacar no seu lugar Augusto Aras, atual PGR (Procurador-Geral da República).

Líderes partidários ouvidos pela reportagem informam que a Casa está dividida em relação a Mendonça. Cobrado por senadores, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), minimizou a demora em analisar a sabatina de Mendonça, disse que vai conversar com Alcolumbre, mas que respeita a posição dele como presidente da comissão.

Mendonça, que tem sido visto nos corredores de senadores desde sua indicação, continua buscando contato com os parlamentares. Até o momento, o único voto público contra sua indicação é do senador Jorge Kajuru (Podemos-GO).

“Eu voto contra a indicação do pastor presbiteriano para o STF por causa de sua atuação no Executivo, em um pouco mais de dois anos e meio de governo. Na AGU, foi mais advogado de Bolsonaro do que da União”, disse Kajuru, acrescentando que crença religiosa não é pré-requisito para vaga na mais alta Corte do país – Bolsonaro disse, diversas vezes, que iria indicar um ministro ‘terrivelmente evangélico’ para o STF.

Últimas