R7 Planalto Senadores querem que Pantanal faça parte da Amazônia Legal

Senadores querem que Pantanal faça parte da Amazônia Legal

Indicação aprovada na comissão externa será levada ao presidente Jair Bolsonaro, que pode decidir inclusão por decreto 

  • R7 Planalto | Mariana Londres, de Brasília

Senado aprova pedido para que Pantanal faça parte da Amazônia

Senado aprova pedido para que Pantanal faça parte da Amazônia

ERNESTO CARRIÇO/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

Senadores da comissão temporária externa do Pantanal aprovaram nesta sexta-feira (9) a indicação feita pela senadora Simone Tebet (MDB-MS) para que o Pantanal seja incluído no Conselho da Amazônia Legal pelo prazo de cinco anos. Os senadores prentendem levar o pedido ao presidente Bolsonaro na semana do dia 20 de outubro. O objetivo é ter mais recursos e estrutura, como helicópteros e apoio da Força Nacional, para combater incêndios que devem acontecer nos próximos anos com as secas previstas por institutos metereológicos.

A justificativa é que os biomas estão interligados e as queimadas na Amazônia também interferem no agravamento da seca no Pantanal.

Parte do Pantanal, a do Mato Grosso, já está na Amazônia Legal, mas a parte do Mato Grosso do Sul não está. A proposta foi feita pela senadora Simone Tebet (MDB-MS), integrante da Comissão Temporária que acompanha as ações de combate às queimadas no Pantanal.

"As razões da inclusão do bioma Pantanal na Amazônia Legal são muitos simples. Hoje o Conselho Nacional da Amazônia Legal é presidido pelo vice-presidente Hamilton Mourão, que é egresso das Forças Armadas, e é importante que ele possa acionar nos próximos quatro anos, que serão de muita estiagem, de queimadas, todas as forças necessários para prevernirmos e anteciparmos qualquer catástrofe ambiental de queimadas".

Há pouco mais de dois meses, o Senado Federal aprovou proposta da senadora, de indicação ao presidente Bolsonaro para que o Pantanal seja incluído na estrutura do colegiado do Conselho da Amazônia. Pela nova proposta, a inclusão irá até 2025.

Últimas