STF jamais se sujeitará a nenhum tipo de ameaça, diz Toffoli após atos

Grupo de manifestantes bolsonaristas lançou fogos de artifício contra o prédio do STF, na praça dos Três Poderes, em Brasília, na noite deste sábado (13)

STF jamais se sujeitará a nenhum tipo de ameaça, diz Toffoli após atos

STF jamais se sujeitará a nenhum tipo de ameaça, diz Toffoli após atos

Fellipe Sampaio /SCO/STF 21/05/2020

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, repudiou neste domingo (14) o grupo de manifestantes que lançou fogos de artifício em direção ao prédio da Corte na noite de sábado (13) em Brasília.

“O Supremo jamais se sujeitará, como não se sujeitou em toda a sua história, a nenhum tipo de ameaça, seja velada, indireta ou direta e continuará cumprindo sua missão”, afirmou Toffoli.

“Guardião da Constituição, o Supremo Tribunal Federal repudia tais condutas e se socorrerá de todos os remédios, constitucional e legalmente postos, para sua defesa, de seus ministros e da democracia brasileira”, acrescentou.

Leia mais: Manifestantes disparam fogos de artifício contra prédio do Supremo

Na noite deste sábado (13), manifestantes bolsonaristas retirados de um acampamento montado na Esplanada dos Ministérios causou tumulto e aglomeração, desrespeitando as orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde), enquanto efetuavam disparos de fogos de artifício em direção ao prédio do STF, na praça dos Três Poderes.

Os manifestantes divulgaram vídeos pelas redes sociais. Em um deles, se escuta a voz de um homem fazendo ameaças ao STF e, nominalmente, aos ministros Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Toffoli.

Veja também: Luiz Fux, do STF, afirma que Forças Armadas não são poder moderador

As cenas foram descritas por Toffolli como “mais um ataque ao STF, que também simboliza um ataque a todas as instituições democraticamente constituídas”.

“Financiadas ilegalmente, essas atitudes têm sido reiteradas e estimuladas por uma minoria da população e por integrantes do próprio Estado, apesar da tentativa de diálogo que o Supremo Tribunal Federal tenta estabelecer com todos - Poderes, instituições e sociedade civil, em prol do progresso da nação brasileira”, afirma.