R7 Planalto Weintraub deixa Ministério da Educação após polêmicas com STF

Weintraub deixa Ministério da Educação após polêmicas com STF

Economista deixa pasta com gestão marcada por críticas, polêmicas nas redes sociais e ataques a membros do Supremo Tribunal Federal

  • R7 Planalto | Thiago Nolasco, da Record TV

Weintraub deixa Ministério da Educação

Weintraub deixa Ministério da Educação

Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Abraham Weintraub deixou o cargo de ministro da Educação. O anúncio foi feito por ele em rede social nesta quinta-feira (18) após reunião com o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

"Agradeço a todos de coração, em especial ao presidente Jair Bolsonaro, o melhor presidente do Brasil", escreveu Weintraub em sua conta no Twitter.

Weintraub deve ir para o Banco Mundial, em Washington (Estados Unidos) - o Brasil é o maior acionista e, por isso, tem a prerrogativa de indicar o diretor da área.

A trajetória de Weintraub à frente da pasta acumulava desgastes por conta de declarações polêmicas. No último domingo (14), ao participar de uma manifestação em Brasília, ele voltou a atacar o STF (Supremo Tribunal Federal). Desde então, a troca no MEC (Ministério da Educação) já era dada como certa. 

A situação do ministro já era complicada desde a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, em que Weintraub sugeriu colocar os "vagabundos" do STF na cadeia. A fala gerou críticas de ministros da Corte e de parlamentares.

Veja também: Ação de Weintraub foi gota d'água para Dias Toffoli

Durante a reunião, o próprio Weintraub lembrava que era um ministro "ativista". Seus ataques nas redes resultaram em dezenas de processos na Justiça. Ao ficar fora do governo o ministro perde o foro privilegiado e esses processos serão remetidos às instâncias inferiores.

Bolsonaro deu posse a Weintraub em abril de 2019

Bolsonaro deu posse a Weintraub em abril de 2019

Adriano Machado/ Reuters - 09.04.2019

No final de maio (28), o agora ex-ministro criticou ainda a operação da PF (Polícia Federal) sobre o inquérito das fake news. Ele chamou o cumprimento de 29 mandados de busca e apreensão, que foram realizados em endereços ligados a apoiadores de Bolsonaro, de Noite dos Cristais brasileira, em referência ao trágico dia do regime nazista.

O economista Abraham Weintraub assumiu o Ministério da Educação em abril de 2019, após a saída de Ricardo Vélez Rodriguez. Antes, ele foi secretário-executivo da Casa Civil. O agora ex-ministro pertencia à chamada ala olavista, ou ideológica do governo, alinhada com os pensamentos do filósofo Olavo de Carvalho.

Weintraub é mestre em Administração na área de Finanças pela FGV (Faculdade Getulio Vargas), MBA e graduado em economia pela USP (Universidade de São Paulo).

Últimas