Eleições 2022

De olho em 2022, políticos começam a jogar migalhas para o povo

As campanhas sequer iniciaram, mas muitos já tentam manipular a opinião pública com atitudes recheadas de hipocrisia 

Sai ano, entra ano e muitos políticos brasileiros continuam com o mau hábito de tratar a população igual fazem com os pombos, dando migalhas.

Você já alimentou esses animais? Basta estar com alguns farelos na mão para eles se aglomerarem ao seu redor para comer. Trazendo para a política, a questão é que há uma classe que comanda, ou quer comandar o Brasil, que acha que somos iguais aos pombos e, assim, incentivam para que continuemos a agir como eles, aceitando qualquer tipo de alimento, sem questionar e sem raciocinar.

Quando li a notícia de que o governador do estado de São Paulo, João Dória, anunciou que seu novo programa irá pagar seis parcelas mensais de R$ 300 para pessoas que perderam familiares para covid-19 e vivem em situação de vulnerabilidade, pensei: "Quantas pessoas votarão nele, ano que vem, por terem recebido essa quantia?"

As eleições em 2022 acontecem em outubro para eleger o próximo presidente, governadores, senadores e deputados estaduais e federais

As eleições em 2022 acontecem em outubro para eleger o próximo presidente, governadores, senadores e deputados estaduais e federais

Antonio Augusto / Ascom / TSE

Não dá para mensurar a quantidade, mas, com certeza, essa é uma estratégia de campanha, não apenas dele, como também de tantos outros políticos que já começaram suas publicidades eleitorais, bem antes do início ser autorizado.

No caso de Dória, esse anúncio vem depois de muitos comércios terem falido e muitos funcionários terem perdido seus empregos, por conta das medidas restritivas, confusas e desiguais, impostas por ele.

E quando o ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes, que também é pré-candidato à presidência, postou um vídeo segurando a Bíblia em uma mão e a Constituição na outra? Cristãos se revoltaram porque ele raramente se manifestou sobre o tema ao longo de sua carreira, pelo contrário, já criticou as mais diferentes denominações cristãs. Pessoas de outras religiões também não gostaram nem um pouco dessa atitude.

Sabemos que a participação cristã tem crescido a cada ano no que se refere à política, então, muitos, assim como Ciro Gomes, tentam usar de artifícios para se promover com este público.

Estratégias de manipulação

É curioso que, desde o início da pandemia, alguns "futuros candidatos" buscaram fixar, na mente da população, a imagem de que seriam os melhores defensores da vida, da ciência, da democracia e da vacina. 

Aqueles que miram o Palácio do Planalto parecem estar dispostos a tudo para convencer que eles merecem seu voto nas próximas eleições.

Em vídeo, Ciro Gomes busca atrair cristãos e causa polêmica

Em vídeo, Ciro Gomes busca atrair cristãos e causa polêmica

Reprodução

Por isso, é essencial que, desde já, nós, o povo, nos preparemos para não sermos manipulados por eles. O dinheiro dos cofres públicos, que pagam tudo no país, é oriundo dos nossos pagamentos de impostos e taxas, ou seja, temos o direito de cobrá-los e responsabilizá-los caso não estejam fazendo seu trabalho corretamente.

Um político que trata benefícios como favores, construções e reformas como diferenciais, precisa ser extinguido de nossos parlamentos. Uma pequena realização não pode ser vista como um grande ato, na verdade, não passa de migalhas.

Os políticos querem que a gente pense que temos a obrigação de agradecê-los e exaltá-los. Por isso, enquanto os eleitores não pararem de dar audiência para quem age assim e não decidirem participar de forma racional dos pleitos, as autoridades continuarão os ignorando, sendo resistentes a críticas e pensando, apenas, em como ganhar mais dinheiro e poder, fingindo pensar na população.

Últimas