Dia da Mulher, ataque à ministra e hipocrisia do feminismo atual

Um movimento que tem excluído muitas de suas pautas não pode afirmar que luta por igualdade

Hoje pela manhã estava lendo a menção de repúdio de movimentos sociais, muitos feministas, à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, por conta de seu posicionamento contra o aborto legal. Após a divulgação da carta, a atual Secretária de Relações Internacionais da Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, que afirma ser feminista, afirmou em uma entrevista à Folha de S.Paulo no sábado (6): "Não importa o quanto resistam ao empoderamento feminino, as mulheres têm uma palavra: resiliência. Nós vamos resistir às Damares".

É claro que há, por trás de declarações desse tipo, muitos interesses políticos. Mas, como hoje é o Dia Internacional da Mulher, pensei sobre o tema e que frases como essa segregam ainda mais as mulheres, revelando que essa, talvez, seja a verdadeira intenção do feminismo atual.

Em carta, mulheres repudiam ministra Damares Alves

Em carta, mulheres repudiam ministra Damares Alves

Alan Santos/PR - 29.07.2020

Li recentemente uma crítica semelhante em uma declaração de uma militante do movimento, a filósofa estadunidense e professora da Universidade da Califórnia, Judith Butler.

Ela classifica o discurso universal do feminismo como excludente e afirma que ele deixa de fora muitas mulheres.

Então, até quem faz parte desse universo, não concorda como ele tem sido conduzido.

Talvez você não saiba, mas, esse feminismo moderno é mal visto pela maioria das mulheres. O resultado de uma Pesquisa Datafolha do ano passado sobre feminismo revelou que 52% dos homens apoiam a causa feminista, contra 39% das mulheres brasileiras. A pesquisa ouviu 2.086 pessoas com 16 anos ou mais (sendo 1.095 mulheres e 991 homens), em 130 municípios do país.

Entendendo 8 de março

O Dia Internacional da Mulher é celebrado em 8 de março desde 1975, quando foi oficializado pela Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de lembrar as conquistas políticas e sociais. Um evento comumente associado a essa data é o da tragédia que ocorreu numa fábrica de roupas em Nova York no ano de 1911. 146 trabalhadores morreram, sendo 125 mulheres e 21 homens.

Um incêndio em uma empresa chamada Triangle Shirtwaist Company, em Nova York, nos Estados Unidos, é um dos eventos que explicam o surgimento do Dia Internacional da Mulher

Um incêndio em uma empresa chamada Triangle Shirtwaist Company, em Nova York, nos Estados Unidos, é um dos eventos que explicam o surgimento do Dia Internacional da Mulher

Reprodução

Há registros que revelam que as dezenas de costureiras e trabalhadores não conseguiram deixar o local porque as portas estavam trancadas e a escada de emergência ruiu com as chamas. 

Dessa forma, o caso trouxe à tona todas as más condições enfrentadas, sobretudo pelas mulheres.

Muitos apontam que esse foi apenas um dos tantos motivos para o surgimento de uma data de reflexão sobre condições de trabalho e de vida das mulheres em todo o mundo.

Por que não sou feminista

Que devemos seguir lutando pelos nossos direitos enquanto mulheres já é sabido. Mas, se engana quem pensa que essa é a única pauta do feminismo atual. Digo atual, porque o feminismo original foi completamente alterado. Porque o que vemos hoje é um grupo que defende apenas determinadas mulheres.

Quando falamos das conservadoras, por exemplo, elas são completamente excluídas do discurso. Quem não lembra da frase de protesto: "Mexeu com uma, mexeu com todas" que incluiu algumas e excluiu tantas outras?

A campanha "Mexeu com uma, Mexeu com Todas" só valeu para algumas mulheres

A campanha "Mexeu com uma, Mexeu com Todas" só valeu para algumas mulheres

Reprodução/Record

Não me sinto representada por um feminismo que trata os homens com ódio e o casamento e a família com desprezo. Isso sem falar da hipocrisia do discurso.

Enquanto criticaram Bolsonaro, por exemplo, por ele ter proferido frases com duplo sentido, "passaram pano" para o Lula que também sentenciou muitas palavras depreciando as mulheres.

Ambos estão errados, mas o feminismo decidiu "ignorar" a postura do ex-presidente, defendendo e justificando suas declarações misóginas. Qual o sentido de um movimento assim? O que é certo vale para alguns, mas para outros não? 

Mulheres que levantam mulheres

Não posso reclamar pelo fato de ser mulher. Vivencio dificuldades e conquistas, assim como muitos homens. Eu amo meu gênero, como também trabalhar, cuidar do lar, ver meu marido e minha família feliz (o que deixará muitas feministas revoltadas). Isso não me faz subserviente, muito pelo contrário, me faz feliz. 

Demorou para eu entender que tratar mal um homem apenas por ele ser homem era totalmente ilógico, afinal de contas, não podemos generalizar condutas.

Por isso, infelizmente, uma causa que tem demandas legítimas tem caído em descrédito por querer impor uma doutrinação ideológica.

Últimas