Esperar a condição perfeita para casar pode ser uma escolha perigosa

Pesquisa revela que brasileiros estão se casando menos e, quando se casam, ficam juntos por menos tempo. Dados mostram a urgência de prestar atenção na vida amorosa

As Estatísticas do Registro Civil, referentes a 2019, divulgadas na quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que os brasileiros, em geral, estão se casando menos.

Ano passado foram registrados cerca 1,02 milhão de casamentos no Brasil, aproximadamente 28,8 mil a menos que em 2018. A pesquisa revelou também que, a cada ano, os casamentos têm durado menos. Em 2018, a média de duração da união era de 17,6 anos. Em 2019, essa média caiu para 13,8 anos.

Foram registrados cerca 1,02 milhão de casamentos no Brasil em 2019

Foram registrados cerca 1,02 milhão de casamentos no Brasil em 2019

Pixabay

Entre todos esses dados o que mais me chamou atenção foi que o IBGE observou que aumentou o número de uniões entre pessoas com mais de 40 anos de idade.
Ou seja, existe uma tendência de as pessoas estarem se casando mais tarde.

O que prova que, infelizmente, o casamento caiu em descrédito para muitos jovens. Outra pesquisa, do Urban Institute, de Washington, comprova isso.  Segundo os pesquisadores, grande parte dos integrantes da chamada geração Y ou geração do milênio – nascida entre os anos 1980 e 2000 – chegará solteira aos 40 anos. Outro estudo, do Pew Research Center, mostra que provavelmente 25% dos jovens norte-americanos não se casarão.

Há diversas explicações. Uma delas é o fato de os jovens não acreditarem no amor verdadeiro porque presenciaram exemplos negativos ou vivenciaram traumas. Outra é que as pessoas têm colocado muitas outras prioridades à frente da vida amorosa, como carreira, independência, conquistas materiais, viagens etc.

Tudo isso sem falar que, pelo fato de criar muitas expectativas, há quem imponha um preço alto ao matrimônio. Além da realização da festa, também desejam morar em residência própria, ser bem-sucedidas profissionalmente, ter carro, etc.

Se eu não tivesse mudado meu pensamento sobre a importância de investir na vida amorosa de forma inteligente, com certeza, faria parte dessas estatísticas. Porque, se não decidirmos prestar atenção nessa área, entramos no “automático” que a sociedade impõe e nos enganamos pensando que “investir apenas nos estudos e na carreira é o que trará felicidade”, quando, na verdade, se a pessoa for infeliz no amor, todas as outras áreas da vida também são impactadas.

Use as ferramentas certas

Outro ponto relevante do estudo é sobre a durabilidade das relações. É fato que as pessoas estão mais impacientes, imediatistas e, nesse cenário, quando a relação passa por dificuldades, se o casal não buscar ajuda e usar as ferramentas certas para resolver os problemas, normalmente, optará pela separação.

Vivemos uma época que muitas pessoas ou se casam apenas para cumprir as exigências da sociedade ou evitam o matrimônio para não sofrer como viram seus parentes sofrerem. É realmente muito triste que muitos acabam sendo uma péssima vitrine, maltratando seus parceiros, sendo infiéis, e por aí vai. 

Programa The Love School ajuda casais e solteiros a encontrarem o verdadeiro amor

Programa The Love School ajuda casais e solteiros a encontrarem o verdadeiro amor

Reprodução

Hoje em dia, não são poucos os casais em crise que optam pelo divórcio antes mesmo de tentarem outros meios para salvar o casamento. Muitos investem tempo no extenso processo de divórcio quando poderiam se dedicar para resolver as divergências da vida a dois. Acredito que todos podem transformar um casamento infeliz em um feliz se buscarem ajuda e deixarem o orgulho de lado.

Aqui no R7, por exemplo, você pode encontrar várias dicas para salvar sua relação no programa The Love School. O programa é exibido pela Record TV, aos sábados, às 12h.

Escolha o amor

Agora, quem está solteiro e anda desacreditado do amor pode mudar de ideia se parar de procurar seu par e buscar referências em lugares "errados". Quando se entende o real objetivo do casamento tudo muda. Tenho aprendido a cada dia que para viver o amor inteligente num relacionamento é preciso estar disposto a melhorar nós mesmos (não focar apenas no erro do outro) e sacrificar, diariamente.

Me arrisco a dizer que todos querem ser feliz na vida amorosa. Só que para conquistar essa felicidade é preciso, em primeiro lugar,  entender que o amor verdadeiro não é aquele que recebe, mas aquele que dá, que cuida, que prioriza. O amor que muitos têm cultuado é o apego ao dinheiro, a pessoas, coisas, e a si próprio. Quando, na verdade, amar é se sacrificar pela pessoa amada. Não é sentimento, não é sorte, é decisão.

O verdadeiro amor não se acha em qualquer lugar, ele se conquista. Por isso, tem se tornado tão raro.

Últimas