Morte com facão em briga de trânsito poderia ter sido evitada

Vítima buzinou e xingou insistentemente outro motorista que, num ataque de fúria, cometeu o assassinato

Parecia ser mais um dia comum para o vigilante Daniel Elias Grecco, de 49 anos. Mas, uma briga de trânsito que poderia ter sido facilmente evitada, tirou sua vida. No dia 12 de maio, câmeras de segurança flagraram seu assassinato, no centro de Araraquara, interior de SP, após uma discussão com outro motorista, que aconteceu na Avenida Prudente de Morais. 

À Polícia Civil, o acusado, de 34 anos, contou que agrediu a vítima "porque ele e sua esposa foram ofendidos verbalmente". O assassino também disse que parou no cruzamento da Avenida Prudente de Moraes apenas para pedir informações, mas o vigilante não teve paciência de esperar, começou a buzinar e xingá-lo.

Após briga de trânsito, homem esfaqueia motorista até a morte. Autor foi preso e confessou o crime

Após briga de trânsito, homem esfaqueia motorista até a morte. Autor foi preso e confessou o crime

Reprodução / Jeferson Cardozo

Foi então que o homem foi estacionar a caminhonete e a vítima foi atrás. Golpeado com um facão na cabeça, o vigilante foi socorrido e levado em estado grave para o hospital, mas não resistiu. O suspeito de cometer o crime foi preso pela Polícia Militar.

Intolerância geral

Casos como esse já se tornaram comum nos noticiários, e não se restringem apenas ao trânsito. O corpo do fotógrafo Thiago Freitas de Souza, de 32 anos, foi sepultado ontem no Cemitério Nossa Senhora da Conceição, em Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Ele foi morto na manhã de sábado após ter ido à rua pedir para que moradores, que na verdade eram bandidos, diminuíssem o barulho que faziam, porque sua filha, de apenas cinco anos, não conseguia dormir.

Sua esposa relatou que, depois que ele saiu para reclamar do som alto, ouviu um disparo e encontrou Thiago caído no quintal de casa. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Nós contra eles

Quando falamos a respeito de reclamações, sejam elas quais forem, é preciso ter muita cautela, ainda mais no caso do reclamante, pois não se sabe como será a reação da outra pessoa.

A intolerância só têm aumentado. As pessoas parecem bombas prestes a explodir. Qualquer coisa pode se tornar motivo para discussões e até mortes. 

Fotógrafo foi assassinado após pedir que parassem com o barulho para a filha, de cinco anos, conseguir dormir

Fotógrafo foi assassinado após pedir que parassem com o barulho para a filha, de cinco anos, conseguir dormir

Reprodução

Exemplos não faltam. No caso do trânsito, sempre existirão problemas causados por motoristas que não tomam cuidado e que são imprudentes na condução de um veículo. Mas, isso não justifica entrar em brigas. Conter a emoção e manter a boa atitude, independentemente da ação do outro, têm o poder de promover o respeito e de diminuir as chances de acidentes, brigas e assassinatos.

Isso também vale para outras situações. Com a pandemia, quem já tinha pouca inteligência emocional, sofreu muito.  De acordo com um levantamento feito pela Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (ABADI), nesse período, o atrito entre vizinhos aumentou consideravelmente.

Com as pessoas ficando mais em casa e a suspensão das aulas presenciais, elas passaram a conviver mais e problemas como reclamação de barulho de obras, crianças brincando, música alta e outros tipos de perturbação do sossego acumularam-se.

Paciência é a resposta

De toda forma, os especialistas aconselham a ter bom senso. Se for preciso conversar sobre um problema, que seja de forma madura e amigável. Caso não se resolva, partir para a briga não pode ser uma opção. Há meios formais para se registrar uma reclamação.

Aprender a ter controle das próprias emoções é essencial para evitar confrontos que podem trazer graves consequências

Aprender a ter controle das próprias emoções é essencial para evitar confrontos que podem trazer graves consequências

THINKSTOCK

As pessoas estão intolerantes, tanto para com o erro alheio como também para ouvirem questionamentos sobre suas próprias atitudes.

É preciso desenvolver maturidade para aprender a reagir em casos de perturbação, conforme manda o bom senso e as regras de convívio.

A prevenção de atitudes intempestivas é a decisão mais sábia a ser tomada. Porque quando não há controle dos sentimentos negativos, o impulso pode trazer consequências irreversíveis. 

O bom comportamento, o autocontrole e o equilíbrio são atitudes que deveriam fazer parte do currículo obrigatório desde o ensino fundamental.

Últimas