Reação de Glória Menezes e uma lição valiosa para superar a dor

Marido da atriz, Tarcísio Meira, morreu vítima de covid-19. Eles foram casados por 59 anos

A morte do ator Tarcísio Meira, aos 85 anos, entristeceu todo país. Ele e sua esposa, Glória Menezes, foram internados em 6 de agosto no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, para se tratar da covid-19. O artista chegou a ser intubado na UTI, mas não resistiu. De acordo com o boletim médico, divulgado na quinta-feira, a atriz segue internada e deve ter alta em breve.

O assessor de imprensa do casal contou à equipe do R7 qual foi a reação de Glória ao saber da morte do marido: "Um baque fortíssimo e muita, muita tristeza".

Tarcísio e Glória foram casados por 59 anos

Tarcísio e Glória foram casados por 59 anos

Reprodução/Instagram



Amor e companheirismo

Eles se conheceram em 1961 e se casaram no ano seguinte. Eles são pais do também ator Tarcísio Filho. Foram 59 anos de união, praticamente uma vida inteira. "Eu não sei nem traduzir o que é o nosso amor. É uma coisa tão diferente. Eu tenho uma necessidade de estar perto dele. Eu preciso dele, e ele precisa de mim. 'Amor meu', eu tenho o meu jeito de chamar", disse Glória em entrevista.

O casal era tão unido que as pessoas próximas dizem estar preocupadas com Glória. Mocita Fagundes, nora do casal, prometeu cuidar dela daqui para frente. “Nós vamos cuidar da tua Glória. Tu foste absolutamente generoso comigo e com os meus, desde sempre", escreveu.

Vencendo a dor

Segundo especialistas, cada um reage às perdas de forma diferente. Homens e mulheres tendem a passar por essa fase, cada um da sua maneira. Normalmente, o homem busca se ocupar com atividades e a mulher normalmente se recolhe e se isola.

Entre os idosos, a dor da ausência pode ser ainda mais difícil de ser superada. De toda forma, é preciso seguir passos importantes para vencer essa condição e não cair em depressão.

Me recordo que, após a morte do meu avô, em 2019, a vida da minha avó virou de ponta cabeça. Ela não sabia como prosseguir sem o companheiro de mais de 60 anos, não queria sequer levantar da cama para comer. O caminho que ela encontrou para conseguir forças para prosseguir foi se apoiar na fé.

Participantes do grupo Calebe fazem atividades que auxiliam o bem-estar físico e emocional

Participantes do grupo Calebe fazem atividades que auxiliam o bem-estar físico e emocional

Reprodução

Os especialistas afirmam que a fé é uma ótima ferramente para contornar a solidão. Nos Estados Unidos, uma pesquisa realizada pela Universidade de Duke, na Carolina do Norte, comprova que pessoas que praticam a fé apresentam 40% menos chances de sofrerem depressão.

Além disso, é importante participar de grupos sociais, manter a mente ocupada. De fato, isso ajuda muito. Conheci senhores e senhoras que fazem parte de um grupo direcionado à melhor idade, chamado Calebe. Os principais objetivos dessa ação são oferecer apoio espiritual e social, além de motivar os participantes a interagir, fazer novas amizades e participar de atividades de lazer e de ações sociais. Exercícios físicos, danças, passeios, cuidados com a saúde e beleza, palavras motivacionais, orações e orientações fazem parte do projeto e trazem qualidade de vida e conforto.

É claro que não é fácil vencer a dor do luto, mas, quando temos consciência que somos instantes e que a vida é breve, entendemos a importância de guardar no coração os bons momentos vividos com as pessoas amadas, mas, sem deixar que eles no impeçam de seguir em frente.

Valorizar a vida é viver com sabedoria. Então, é preciso lidar com a dor da perda, organizar as emoções, se reerguer e buscar forças para continuar, porque é assim que precisa ser feito.

Últimas