Notícias 'Receberam o trabalhador a tiros', diz pai de entregador baleado em SP

'Receberam o trabalhador a tiros', diz pai de entregador baleado em SP

Na manhã desta segunda-feira (22), polícia ouve três funcionários do mercado. Segurança não foi identificado e pai de vítima relata que ameaças

Entregador é baleado por segurança de mercado em Guarulhos

Entregador é baleado por segurança de mercado em Guarulhos

Reprodução Record TV

O pai do entregador Rodrigo de Oliveira Cruz, de 27 anos, baleado por um segurança de um mercado, no domingo (21), na avenida Presidente Tancredo de Almeida Neves, em Guarulhos, região metropolitano de São Paulo, afirmou que o filho foi ameaçado pelo funcionário que disparou contra ele. 

Rivelino de Oliveira Cruz disse que eles tiveram a placa do caminhão e os documentos fotografados. "Eles disseram que era muito fácil levantar nosso endereço e que se denunciássemos iriam até nossa casa e matariam todo mundo", disse è Record TV.

No início da manhã desta segunda-feira (22), a polícia conduziu à delegacia três funcionários do mercado para serem ouvidos sobre o caso. Até o momento, não há a confirmação de que um deles seja o acusado, ainda não identificado.

"Na quinta-feira passada, fizeram uma entrega sem nenhum problema, nunca houve nenhuma desavença. Eles acordam todos os dias para trabalhar e nunca tiveram problema. O problema veio do pessoal despreparado que estava lá, que não pode receber o trabalhador a tiros."

O caso

O entregador Rodrigo de Oliveira Cruz, de 27 anos, foi baleado por um segurança de um mercado, na noite deste domingo (21), na avenida Presidente Tancredo de Almeida Neves, 568, em Guarulhos, região metropolitano de São Paulo.

De acordo com o pai do rapaz, Rivelino de Oliveira Cruz, Rodrigo é prestador de serviço de uma empresa e foi até o estabelecimento para fazer uma entrega. Ao se identificar como entregador e contar que estava ali para entregar uma mercadoria, o segurança do mercado disse que não havia sido comunicado e se recusou a avisar aos funcionários responsáveis pelo recebimento sobre a chegada da carga.

Rodrigo, então, resolveu ligar para um representante da empresa. Neste momento, o segurança passou a atirar no rapaz. Segundo o pai da vítima, foram três disparos, um acertou o pé do entregador. Em um vídeo, feito pela vítima, é possível ouvir o rapaz falando ao telefone e, em seguida, os tiros. Rodrigo foi atingido no pé.

O segurança se identificou como policial e passou a ameaçar o rapaz. Disse que mataria o rapaz e a família dele caso ele fosse denunciado. O segurança tentou coagir a vítima, dizendo que ela deveria ir até o hospital e dizer que foi baleada em um outro local. O segurança alegou aos colegas de trabalho que Rodrigo tentou pular o muro do mercado e que por isto ele atirou.

A vítima, que estava acompanhada do irmão com quem ele trabalha, mesmo ferido, foi até a casa do pai. De lá eles seguiram ao Hospital Unimed, localizado na Rua Tabajara, em Guarulhos. A Polícia Militar foi acionada pela família da vítima.

Rivelino contou que o filho estava uniformizado e usava crachá. A unidade do mercado onde o rapaz foi baleado ainda não foi inaugurada. O caso foi encaminhado para o 1º DP de Guarulhos.