Notícias Responsáveis por barragem que matou 3 em MG podem ir à júri

Responsáveis por barragem que matou 3 em MG podem ir à júri

Estrutura em Itabirito (MG) rompeu em 2014; Ministério Público quer júri popular para donos, auditores e funcionários da empresa

Agência Estado
Rompimento em 2014 matou três pessoas

Rompimento em 2014 matou três pessoas

Corpo de Bombeiros/Divulgação

O Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) quer que os responsáveis pelo rompimento da barragem de rejeitos da Herculano Mineração, em Itabirito, a 57 km de Belo Horizonte, sejam levados a júri popular para responderem pelo crime de homicídio qualificado, além de crimes ambientais. O rompimento da barragem ocorreu em setembro de 2014 e provocou a morte de três pessoas.

O pedido foi apresentado para a 1ª Vara da Comarca de Itabirito, assinado pelos promotores de Justiça de Itabirito e dos Centros de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça Criminais (Caocrim) e de Defesa do Meio Ambiente (Caoma). O documento requer que os proprietários da empresa, auditores e funcionários responsáveis pela barragem de rejeitos sejam levados a júri popular.

Veja: Justiça bloqueia bens de mineradora responsável por barragem rompida em MG

Para o MP-MG, o rompimento da barragem B1 foi resultado de irregularidades na gestão ambiental da Herculano Mineração e da disposição ilegal de rejeitos em local que deveria estar desativado.

Rompimento em MG

Oito trabalhadores da Herculano Mineração foram soterrados após a estrutura localizada na zona rural de Itabirito se romper. Os operários trabalhavam na manutenção quando houve o deslizamento. A mina estava ativa, mas a barragem já estava desativada. Três trabalhadores morreram.

Dias depois, a empresa alegou que o rompimento podia ter sido causado por um fenômeno geológico raro chamado “inversão de relevo”, que é quando ocorre a formação de canais subterrâneos. Em 2015, os sócios da empresa foram indiciados por homicídio e crime ambiental.

A reportagem tenta contato com a Herculano Mineração.

Últimas