violência contra a mulher
Rio de Janeiro Agressores de mulheres usarão tornozeleiras eletrônicas no RJ

Agressores de mulheres usarão tornozeleiras eletrônicas no RJ

Vítima receberá um dispositivo que emite alertas se violentador estiver em um raio de 200 m. Equipamento ajudará Seap a mapear passos de monitorado

Agressores de mulheres usarão tornozeleiras eletrônicas no RJ

Agressores usarão dispositivo de monitoramento

Agressores usarão dispositivo de monitoramento

Divulgação/Seap

A Seap (Secretaria de Estado da Administração Penitenciária) implementará o uso de tornozeleira eletrônica entre agressores de mulheres no Estado do Rio de Janeiro. As vítimas receberão um acessório que emite alertas se o violentador estiver em um raio de 200 metros.

Dossiê: a cada 5 dias uma mulher é vítima de feminicídio no Rio

Incialmente, a secretaria disponibilizará 20 aparelhos para atender as atuais demandas da V Vara de Violência Doméstica. A Justiça do Rio já autorizou a utilização de dois dispositivos.

Para o secretário da Seap, Alexandre Azevedo, as tornozeleiras eletrônicas ajudarão no controla à violência contra mulher.

“O uso da tornozeleira eletrônica, que já é utilizada no nosso sistema desde 2011, fará com que o Estado do Rio de janeiro atue de maneira mais repressiva no combate à violência contra a mulher.”

Em nota, a Seap destacou que o dispositivo permitirá que o Judiciário e a própria secretaria consigam mapear os passos dos agressores. A tornozeleira fornecerá informações como “locais percorridos, a partir de que horário [o monitorado] ficou em sua residência ou se ausentou da comarca, onde reside sem autorização judicial, além de certificar a distância da mulher vítima”.

Segundo o Instituto Maria da Penha, a cada dois segundos, uma mulher é agredida de forma física ou verbal no Brasil.

Número de feminicídio bate recorde em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense

De acordo com a Seap, mais de 4 mil detentos são monitorados no sistema penitenciário do Estado. Cerca de 20 mil pessoas receberam a tornozeleira eletrônica nos últimos quatro anos.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa