Rio de Janeiro Após escândalo envolvendo a Maria UPP, PMs podem ser expulsos da corporação

Após escândalo envolvendo a Maria UPP, PMs podem ser expulsos da corporação

Imagens foram gravadas e tiveram grande repercussão nas redes sociais, em abril deste ano

Após escândalo envolvendo a Maria UPP, PMs podem ser expulsos da corporação

Cinco policiais militares correm o risco de serem expulsos da corporação depois de serem identificados nas fotos e vídeos em que aparecem fazendo sexo com Patrícia Alves, a "Maria UPP". As imagens foram gravadas e tiveram grande repercussão nas redes sociais, em abril deste ano. 

A medida punitiva teria sido publicada no BDR (Boletim Disciplinar Reservado) no último dia 19, após IPM (Inquérito Policial Militar) aberto para investigar o caso.A divulgação em massa se deu depois que a mulher de um dos militares descobriu a sessões de orgias que, eventualmente, eram promovidas nas UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora). A mulher traída resolveu denunciar e espalhou as imagens por meio das redes sociais. 

Na época, a CPP (Coordenadoria de Polícia Pacificadora) informou que ia apurar quem gravou os vídeos e quem entregou as armas da corporação para que a jovem, de 23 anos, posasse para fotos.

Em entrevista à Rede Record, Patrícia Alves afirmou que preferia o apelido de Patificação (uma referência à pacificação), em vez de Maria UPP. Ela contou ainda que se relacionava com policiais havia mais de cinco anos, geralmente, nas bases das UPPs. Segundo ela, as visitas se estenderam por todas as unidades espalhadas pelo Rio.

— Fui a todas as UPPs. Fazíamos no horário de serviço, mas, às vezes, também saímos juntos. A maioria dos policiais é casada.

Os vídeos protagonizados pela moça lhe renderam um convite para estrelar um filme adulto na produtora mais famosa do País nesse segmento. 

Assista ao vídeo: