Rio de Janeiro Atriz Taís Araújo presta depoimento e polícia abre investigação sobre racismo na rede

Atriz Taís Araújo presta depoimento e polícia abre investigação sobre racismo na rede

Atriz disse ter denunciado o caso, pois o mesmo ocorre com outros negros no País

Inquérito para apurar o caso foi instaurado nesta quarta

Inquérito para apurar o caso foi instaurado nesta quarta

Reprodução/Facebook

A atriz Taís Araújo prestou depoimento ao delegado Alessandro Thiers da DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática), nesta quarta-feira (4), por volta das 13h, sobre os comentários racistas feitos em foto publicada em rede social. O crime ocorreu no último sábado (31) e, segundo o delegado, foi instaurado um inquérito para investigar o caso e identificar os autores das ofensas.

Injúria racial contra Taís Araújo pode levar a 3 anos de prisão

Ela foi vítima de comentários racistas ao compartilhar uma foto na página do Facebook, tais como "Te pago com banana", "Me empresta seu cabelo para lavar louça", "Pode ser mais clara?", "Como pode alguém achar bonito esse cabelo de Bombril?", "Com esse cabelo dá pra lavar a Globo inteira" e "Não sabia que no zoológico tinha câmera". Mais de cem pessoas curtiram os insultos.

De acordo com nota da assessoria de imprensa da atriz, ela tinha assumido o compromisso de levar o caso à Justiça, pois a mesma situação ocorre com outros negros no País. Taís afirma também que confia na polícia para solucionar o caso.

Veja o comunicado

Informamos que a atriz Taís Araújo compareceu à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, na Zona Norte do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira, dia 04 de novembro, na qual prestou depoimento ao delegado Alessandro Thiers sobre os diversos comentários racistas que recebeu em foto publicada em sua página oficial no Facebook, no último sábado, dia 31 de outubro.

A denúncia foi realizada em compromisso à sua declaração anterior de levar o caso à justiça na crença de que autores de injúria racial possam ser punidos. "Presto depoimento porque sei que meu caso não é isolado e é exatamente o que acontece com milhares de outros negros no País", comunica.

A atriz reitera que, a partir de agora, confia na polícia para a solução de seu caso e que continuará dedicada ao seu ofício. Taís também gostaria de agradecer as incontáveis mensagens de apoio e amor que recebeu e espera a compreensão da imprensa, já que nada mais tem a declarar sobre o assunto e crê que seu trabalho é a melhor resposta para o preconceito – ela está no ar em Mr. Brau, série semanal da Rede Globo, e encena a montagem O Topo da Montanha, em cartaz no Teatro Faap, em São Paulo.

No último dia 1º, Taís compartilhou no Facebook sua indignação com as ofensas e a disposição de levá-las à polícia: "É muito chato, em 2015, ainda ter que falar sobre isso, mas não podemos nos calar: na última noite, recebi uma série de ataques racistas na minha página. Absolutamente tudo está registrado e será enviado à Polícia Federal. E eu não vou apagar nenhum desses comentários. Não vou me intimidar, tampouco abaixar a cabeça. Se a minha imagem ou a imagem da minha família te incomoda, o problema é exclusivamente seu! (...) Só assim vamos construir um Brasil mais civilizado".

A atriz ainda agradece as mensagens de apoio e amor que recebeu e crê que o trabalho que faz é a melhor forma de resposta ao preconceito.

Culpados podem responder por injúria racial

Segundo o delegado Alessandro Thiers, os autores das ofensas racistas à atriz Taís Araújo, publicadas no Facebook, poderão ser condenados a até três anos de prisão por crime de injúria racial, que é o uso de palavras que depreciam a pessoa pela cor da pele, raça, etnia, origem e religião.

Ainda de acordo com o delegado, os autores das ofensas poderão ser identificados através de rastreamento, ainda que tenham perfis falsos no Facebook.

O Código Penal prevê pena de prisão de um ano a três anos, além de pagamento de multa. Já o crime de racismo, previsto na lei federal 7.716/1989, atinge uma coletividade de indivíduos. É um crime inafiançável e imprescritível.

Xica da Silva

Primeira atriz negra a protagonizar uma novela no Brasil - Xica da Silva, de 1996, que a fez famosa em todo o País -, Taís, de 36 anos, recebeu apoio de seguidores no Facebook. Sua mensagem de repúdio foi endossada por cerca de 900 mil internautas.

Ela e o marido, o ator Lázaro Ramos, estrearam há três semanas em São Paulo a peça O topo da montanha, sobre Martin Luther King, o líder da luta pelos direitos civis dos negros norte-americanos: a encenação faz referência ao último discurso dele, realizado um dia antes de seu assassinato, em 1968.

Últimas