Rio de Janeiro Casal é preso suspeito de sequestros-relâmpago no Rio

Casal é preso suspeito de sequestros-relâmpago no Rio

Segundo a polícia, dupla obrigava vítimas a comprarem produtos de alto valor e sacarem dinheiro. A 16ª DP (Barra) investiga o caso

  • Rio de Janeiro | Mariene Lino, do R7*, com informações de Dennes Queiroz, da Record TV Rio

Um casal suspeito de praticar sequestros-relâmpago foi preso em flagrante na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro, na noite da última segunda-feira (25).

Celulares e dinheiro foram apreendidos

Celulares e dinheiro foram apreendidos

Reprodução/Record TV Rio

Os dois foram detidos por agentes do programa Barra Presente.

Segundo a polícia, a dupla agia sempre da mesma forma: o homem levava uma das vítimas para comprar produtos de valor em lojas. Já a mulher obrigava outras a sacarem dinheiro em caixas eletrônicos.

Leia também: Justiça nega pedido de divulgação de vacinados contra covid no Rio

Uma das vítimas contou que a compra não foi concluída por erro no cartão. Ela e o suspeito foram surpreendidos pelos agentes nas proximidades da loja.

"Chegou lá, o cartão não passou. Nisso, o caixa percebeu e falou com outro atendente. Na hora, saímos da loja. Quando a gente virou a esquina, correu novamente e, depois, os policiais que já tinham sido avisados chegaram e abordaram a gente. Expliquei que eu era a vítima e não estava com ele", disse o jovem, que prefere não se identificar.

A polícia procurava o casal desde dezembro do ano passado após uma vítima registrar o crime na 16ª DP (Barra da Tijuca). Ela disse que foi abordada na estação de metrô Jardim Oceânico.

Com a dupla, foram apreendidos dois celulares recém-comprados, dinheiro e a caixa de um aparelho roubado um dia antes da prisão.

De acordo com o subcoordenador do programa Barra Presente, tenente Celso Góes, os suspeitos ameaçavam as vítimas de maneira violenta.

"Tem relato de compra de R$ 10 mil nos registros, compras bem altas. Não tinha nenhuma arma com os autores do crime, e eles usam realmente o terror psicológico com as vítimas", afirmou Celso.

Leia também: Polícia do Rio faz ação para investigar morte de jovem na Penha

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas