Caso Henry

Rio de Janeiro Caso Henry: Empregada cobre o rosto ao chegar na delegacia

Caso Henry: Empregada cobre o rosto ao chegar na delegacia

Leila Rosângela será ouvida de novo após babá dizer que ela também sabia das agressões de Dr. Jairinho contra o menino

Empregada chegou à delegacia com rosto coberto

Empregada chegou à delegacia com rosto coberto

Reprodução/Record TV Rio

A empregada que trabalhava na casa de Monique Medeiros e Dr. Jarinho chegou à 16ª DP, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, que investiga a morte do menino Henry, para prestar novo depoimento, nesta quarta-feira (14), com o rosto coberto.

Leila Rosângela de Souza será ouvida novamente após a babá da criança afirmar que a funcionária também sabia das agressões do padrasto contra o menino.

A empregada limpou o apartamento do casal, também na Barra da Tijuca, no dia seguinte à morte de Henry, o que dificultou o trabalho da perícia.

Na primeira vez em que falou à polícia, Leila Rosângela de Souza negou ter visto qualquer situação estranha no local.

No entanto, assim como a babá mudou a versão após a prisão de Dr. Jairinho e Monique, a polícia também tem a expectativa de que a funcionária possa apresentar novas informações.

Últimas