Caso Henry

Rio de Janeiro Caso Henry: Monique Medeiros é exonerada do TCM-RJ

Caso Henry: Monique Medeiros é exonerada do TCM-RJ

De acordo com o Tribunal de Contas, Monique exercia a função de Assistente II e atuava há pouco mais de um mês

A mãe do menino Henry Borel, de 4 anos, Monique Medeiros, foi exonerada do TCM-RJ (Tribunal de Contas do Rio de Janeiro) após prisão temporária ocorrida na manhã desta quinta-feira (8). O vereador Dr. Jairinho, que foi afastado do Conselho de Ética e expulso do partido Solidariedade, também foi preso junto com Monique.

Monique foi presa por envolvimento na morte do filho

Monique foi presa por envolvimento na morte do filho

ÉRICA MARTIN/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

Em nota, o TCM-RJ informa que Monique está de licença especial sem remuneração desde o dia 24 de março e a partir desta data sem vínculo com o Tribunal, que já iniciou o procedimento administrativo interno de devolução da mesma para a Prefeitura, onde trabalhava como professora anteriormente.

No dia  8 de março, a servidora entrou em licença luto e, posteriormente, foi concedida licença especial pelo órgão de origem. Até então Monique estava lotada no gabinete do Conselheiro Luiz Antonio Guarana no cargo de Assistente II (DAI-5).

Em pouco mais de um mês em que esteve trabalhando no gabinete do Conselheiro, Monique atuava na pesquisa de informações para a elaboração de um sistema de monitoramento e acompanhamento do tema Educação. 

Rio autoriza abertura de bares e restaurantes a partir desta sexta (9)

O Tribunal informou ainda que não houve qualquer indício de irregularidades na atuação da servidora no breve período em que realizou o serviço. Todas as frequências foram devidamente atestadas, bem como registradas as licenças de luto, especial e as faltas ocorridas no período, que foram devidamente descontadas.

Monique recebia cerca de R$ 9 mil, em valor líquido, de acordo com consulta remuneração do mês de março extraída do site do TCM-RJ

*Estagiário do R7 sob supervisão de PH Rosa

Últimas