Morte de Marielle Franco

Rio de Janeiro Caso Marielle: mulher e cunhado de Ronnie Lessa e mais dois são presos

Caso Marielle: mulher e cunhado de Ronnie Lessa e mais dois são presos

Segundo a Polícia Civil e o MP, eles são acusados de obstrução de Justiça, porte de arma e associação criminosa; arma do crime teria sido jogada no mar

Polícia cumpre cinco mandados de prisão de envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco

Polícia cumpre cinco mandados de prisão de envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco

Reprodução/Instagram

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro cumpriram nesta quinta-feira (3) cinco mandados de prisão em um desdobramento das investigações dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, ocorridos em março do ano passado. Na operação Submersus, foram presos a esposa e cunhado de Ronnie Lessa, Elaine Lessa e Bruno Figueiredo, o empresário Márcio Montavano, conhecido como Márcio Gordo e Josinaldo Freitas. O outro mandado é contra Ronnie, que já está preso. 

Leia também: Deputada defende PL que prioriza investigação de morte de crianças

Eles são acusados de obstrução de Justiça, porte de arma e associação criminosa.

Segundo a Polícia Civil, o grupo teria ocultado armas usadas pelo grupo de Ronnie, entre elas a submetralhadora HK MP5, que teria sido usada para matar Marielle e Anderson.

De acordo com as investigações da DH (Delegacia de Homicídios) da capital, em março deste ano, dois dias depois das prisões de Ronnie e do ex-policial Élcio de Queiroz, outro acusado de matar Marielle e Anderson, o grupo teria jogado as armas no mar. Sob o comando de Elaine Lessa, conforme a polícia, o armamento foi descartado próximo às ilhas Tijucas, na altura da Barra da Tijuca.

Leia também: Tiroteio assusta moradores da Cidade de Deus e Praça Seca (RJ)

Para a DH, Montavano tirou uma caixa com armas de um apartamento no bairro da Pechincha, na zona oeste do Rio, levou-a até Freitas, que havia contratado o serviço de um taxista para transportá-la até o Quebra-Mar, de onde saiu o barco que levou o material até o oceano.

Já Bruno Figueiredo é acusado de ajudar Montavano na execução do plano. Com o auxílio de mergulhadores do Corpo de Bombeiros e da Marinha, foram realizadas buscas no local, mas nada foi encontrado. A profundidade e as águas muito turvas dificultaram o trabalho, segundo a Polícia Civil.

A operação ainda está em andamento e agentes da DH estão nas ruas para cumprir mandados de busca e apreensão. 

O R7 tenta defesa com os citados da reportagem. 

Últimas