Caso Marielle: Ronnie Lessa e Élcio Queiroz vão a júri popular

Ex-policiais são acusados de matar vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes; Defesa de Queiroz pensa em recurso por falta de provas

Policial reformado Ronnie Lessa e o ex-policial Elcio Queiroz

Policial reformado Ronnie Lessa e o ex-policial Elcio Queiroz

Reprodução/Record TV Rio

O policial militar reformado Ronnie Lessa, e o ex-policial Élcio Queiroz, acusados de matar a ex-vereadora do Rio Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, vão a júri popular, segundo determinação da do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) divulgada na tarde desta terça-feira (10).

Atualmente os ex-policiais estão presos em uma penitenciária de segurança máxima.

Veja mais: Polícia apreende R$ 2 milhões em bens de acusados de matar Marielle

O advogado de Élcio Queiroz, Henrique Telles, soube do pedido ainda nesta tarde, e disse em entrevista que pretende analisar, junto aos outros advogados do grupo, quais os recursos que cabem neste momento, pois segundo ele, não há prova contra Élcio Queiroz.

Marielle Franco e o motorista Anderson foram mortos no bairro Estácio, região central do Rio.

Em nota, o juíz Gustavo Gomes Kalil, responsável pela determinação, explicou que “a qualificação do homicídio doloso (quando existe a intenção de matar) foi dada porque os réus agiram por motivo torpe, armaram uma emboscada e dificultaram a defesa das vítimas. Ambos estão respondendo por homicídio triplamente qualificado”. Ele também informou que “quanto aos crimes dolosos contra a vida, há provas de materialidade dos dois crimes de homicídio consumado, em detrimento das vítimas fatais Marielle Franco e Anderson Gomes”.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa