Cedae é multada em R$ 5,6 milhões por incêndio no Museu Nacional

Empresa foi punida por ausência de manutenção e falta ou baixa pressão de água em hidrantes durante tragédia ocorrida em 2018

Museu Nacional pegou fogo em setembro de 2018

Museu Nacional pegou fogo em setembro de 2018

Reprodução/Record TV

A Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos) foi multada, nesta terça-feira (18), em R$ 5,6 milhões por falha na prestação de serviço e falta de água para abastecer hidrantes no entorno do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, zona norte do Rio, durante o incêndio ocorrido em setembro de 2018.

A punição foi aplicada pelo Conselho Diretor da Agenersa (Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio) durante a Sessão Regulatória Ordinária.

A decisão passará a valer a partir da data de publicação no Diário Oficial do Estado. Em nota, a Cedae disse que tomará as providências cabíveis após a notificação.

Segundo o Conselho Diretor da Agenersa, foram constatados ausência de manutenção e falta ou baixa pressão de água nos hidrantes no entorno do Museu, o que não permitiu ao Corpo de Bombeiros utilizar os aparelhos durante o combate ao incêndio.

Para controlar as chamas, é necessário, no mínimo, 600 litros de água por minuto no hidrante, mas, segundo o órgão, o equipamento tinha apenas 100 litros por minuto.

A agência reguladora determinou ainda que, pela falta de mapas georreferenciados de localização dos hidrantes, a Cedae terá que apresentar um relatório, em 90 dias, informando a quantidade de aparelhos instalados em 64 municípios da área de atuação e a quantidade de carga para suprir eventuais necessidades de acordo com as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e leis vigentes.

Além disso, a empresa deverá apresentar a cada trimestre à Agenersa um relatório de manutenção de todos os hidrantes e resultados de teste informando a pressão de cada aparelho.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira