Comunidades do Rio registram falta d'água há cerca de 15 dias

Falta de água prejudica cuidado com a higiene, uma das principais medidas de prevenção ao coronavírus; Cedae diz que já enviou 40 caminhões pipa

Durante surto da Covid-19, comunidades ficam sem água

Durante surto da Covid-19, comunidades ficam sem água

Divulgação/Cesan

As comunidades da Praça Seca, na zona oeste, Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana, zona sul e Morro do Fubá, em Cascadura, zona norte do Rio, relataram nesta segunda-feira (23) que estão sem água há, pelo menos, 15 dias. Sem abastecimento, a principal medida preventiva ao novo coronavírus, que é a lavagem das mãos, fica comprometida.

Veja mais: Fiscalização em acesso a estações de trem cria aglomerações no RJ

Em nota a Cedae informou que já há equipes técnicas nos locais para realizar reparos emergências e normalizar o abastecimento.

A companhia informou também que está colocando nas ruas, durante esta semana, 40 caminhões pipa para atender as comunidades do Rio, com prioridade a Região Metropolitana.

Com a medida, a Cedae deseja atender de forma rápida os locais que precisam do abastecimento e têm maior demanda por água, em decorrência do novo coronavírus. Somente nos quatro últimos dias (16 ao 20), foram realizados 183 atendimentos na Região Metropolitana.

Devido às ações adotadas para conter a disseminação da Covid-19, houve um aumento significativo no consumo de água em todo o país, em decorrência aos cuidados com a higiene. Além disso, o isolamento social, também aumenta, automaticamente, o uso da água.

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa