Rio de Janeiro Crianças são exploradas na av. Brasil e vendem de pipoca a drogas entre carros

Crianças são exploradas na av. Brasil e vendem de pipoca a drogas entre carros

Os menores enfrentam diariamente o risco de atropelamento na zona norte do Rio

Crianças são exploradas na av. Brasil e vendem de pipoca a drogas entre carros

O adolescente já foi atropelado, mas não largou "emprego"

O adolescente já foi atropelado, mas não largou "emprego"

Reprodução Rede Record

Dezenas de crianças e adolescentes ocupam diariamente o corredor entre os carros nos engarrafamentos na avenida Brasil, uma das principais vias expressas do Rio. Nas mãos, biscoitos, refrigerantes e até drogas. Os casos de atropelamento não são raros.

A reportagem especial do Balanço Geral conversou com os meninos, que disseram que juntam o dinheiro para ajudar em casa ou para realizar pequenos sonhos pessoais, como comprar uma moto. O agravante é que muitos são explorados por ambulantes adultos, que fornecem às crianças os biscoitos a serem vendidos e, no fim do dia, repassam aos menores apenas 30% do lucro.

Com base nas gravações feitas pela equipe da Record, a DCAV (Delegacia da Criança e Adolescente Vítima) montou uma operação e deteve em flagrante Marcelo Moura Matos. Ele vai responder em liberdade por três crimes: de maus-tratos, de exposição dos menores ao perigo e de constrangimento.

Dois adolescentes, de 15 e 14 anos, reconheceram que trabalhavam para o suspeito. No entanto, as supostas vítimas não se sentem exploradas. Eles contaram que não saberiam administrar o dinheiro e os produtos.

A psicóloga Marta Spomnergue afirmou que é comum que os exploradores passem a ser vistos como protetores.

— As crianças passam a depender desses exploradores para as compras. Elas não sabem lidar com os cálculos matemáticos. Quando há trabalho infantil você rompe a inocência dessa criança. Ela começa a ter uma sensação de dever antes da hora. Quando a criança tem a infância raptada, o que ocorre é uma escravidão.

Pelo menos dois meninos contaram à reportagem que já foram atropelados. Apesar disso, eles não abandonaram o “emprego”, apenas passaram a ter mais cuidado. Os menores encaram o risco como “parte do trabalho” e não pretendem buscar outra vida por enquanto.

Um flagrante feito por um produtor da Record mostra que também há menores envolvidos com drogas na avenida Brasil. A venda ocorre perto da rodovia Washington Luiz. Um adolescente revelou que vendia cocaína, que chamou de “farinha”, e que também usava a droga.

Assista à reportagem especial: