Deputado é detido por desacato contra PMs em Niterói (RJ)

Gustavo Schmidt teria agredido policiais e desrespeitado delegada; PM foi acionada para checar festa realizada mesmo com decreto de isolamento social

Deputado foi levado para a delegacia de Niterói

Deputado foi levado para a delegacia de Niterói

Reprodução

O deputado estadual Gustavo Schmidt (PSL) foi detido, na noite de quinta-feira (26), após ser acusado de agredir um PM durante uma abordagem a uma festa realizada por ele em Niterói, região metropolitana do Rio.

Crivella quer entregar hospital de campanha no Riocentro em 15 dias

Segundo a Polícia Militar, agentes do 12º BPM (Niterói) foram acionados para verificar uma ocorrência de “perturbação do sossego alheio” e som alto na região de Camboinhas. A polícia chegou ao local, onde era realizada uma festa com pessoas aglomeradas, e pediu para falar com o responsável.

Ainda de acordo com a polícia, o parlamentar se apresentou como responsável pela festa com “comportamento alterado”. Ele teria se aproximado de um dos agentes gritando e em seguida deu um soco, que quebrou os óculos do agente.

O deputado foi contido e, enquanto era levado para a delegacia, chutou outro policial. O caso foi registrado na 76ª DP (Niterói).

De acordo com a Polícia Civil, o deputado foi autuado pelos crimes de desacato, desobediência, resistência, lesão corporal e infração de medida sanitária preventiva (artigo 268) por descumprimento do decreto de isolamento social. A pasta informou que Schmidt foi conduzido até a 76ª DP onde desacatou e desrespeitou a delegada de plantão. Ele assinou o termo circunstanciado e foi liberado para comparecer em juízo.

Em nota, o deputado confirmou que esteve uma festa de aniversário, mas disse ter sido abordado pelos policiais de maneira agressiva, inclusive sendo lançado ao chão. 

"Falando somente como cidadão, e não como deputado, houve um nítido “abuso de autoridade” por parte dos policiais, contrariando, inclusive, o Capítulo VI, artigo 28 da Lei Federal 13.869/2019, que não permite divulgar gravações que possam ferir a honra ou a imagem. O material foi distribuído ilegalmente para divulgação em redes sociais e na mídia em geral com possível interesse político de denegrir a minha imagem", escreveu no comunicado.