STF

Rio de Janeiro Documento da PF aponta entrega de celulares à Daniel Silveira

Documento da PF aponta entrega de celulares à Daniel Silveira

Segundo relatório, assessores do parlamentar entregaram os aparelhos durante uma visita no dia 17 de fevereiro

  • Rio de Janeiro | Ana Beatriz Araújo, do R7*

Um documento da PF (Polícia Federal) apontou a suposta entrega de celulares ao deputado federal Daniel Silveira, preso por ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal) e por apologia ao período da Ditadura Militar. 

Daniel Silveira foi preso no dia 16 de fevereiro

Daniel Silveira foi preso no dia 16 de fevereiro

Divulgação/Câmara dos Deputados

O parlamentar foi detido em casa no munícipio de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, na noite do último dia 16 de fevereiro. Ele foi encaminhado à Deldia (Delegacia de Plantão) na madrugada do dia 17, onde ficou em uma cela improvisada. 

De acordo com o documento, "as imagens analisadas não deixam dúvidas que houve um conluio entre o Deputado Federal custodiado e seus assessores, para a promoção da entrada dos aparelhos no cômodo restrito à custódia do Deputado Federal."

O relatório aponta que os celulares de Silveira foram recolhidos no dia seguinte a sua chegada à Deldia, após revista na cela. Os aparelhos teriam sido colocado em modo avião e entregues ao delegado de plantão que fez a apreensão formal.

Ainda de acordo com o documento, o deputado teria desbloqueado um dos telefones por meio de reconhecimento facial e alegado que haviam conversas privadas dos parlamentares. No entanto, os agentes não conseguiram ver o conteúdo das mensagens.

Em depoimento prestado na audiência de custódia, Silveira alegou que não teve acesso ao celular durante a prisão, "assim como também não teve quando foi colocado no quarto onde ficou custodiado."

Ele também afirmou que pediu o aparelho a uma das pessoas que o visitaram, por volta das 14h do dia 17, para fazer uma ligação para sua mãe, garantida por direito constitucional. Além disso, Silveira admitiu ter olhado os grupos de mensagens de parlamentares para saber novidades sobre o processo de sua prisão. 

O parlamentar também disse em depoimento que "como de costume, colocou os celulares no bolso e permaneceu com eles" e que "não tinha qualquer intenção de burlar as regras", mas abriu mão do sigilo telefônico para mostrar que não havia feito outra ligação além da permitida.

No entanto, o documento da PF aponta que as imagens da Deldia não registraram o momento em que a pessoa, que não teve o nome divulgado, fez a entrega do aparelho. O relatório também diz que Silveira não havia feito contato com ninguém para informar sobre sua prisão, já que isso havia ocorrido na data em que foi detido. 

Os assessores negaram terem entregue os aparelhos ao deputado. Para a PF, as versões apresentadas foram contraditórias, após a exibição das imagens. 

O R7 tenta contato com a defesa do deputado, mas ainda não obteve resposta.

*Estagiária do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas