Em 96 anos, Copacabana Palace fecha pela primeira vez no Rio

Em meio à pandemia do novo coronavírus, proprietários do icônico hotel decidiram suspender atividades até o final de maio 

Hotel amanheceu com grades de proteção

Hotel amanheceu com grades de proteção

Record TV

Em 96 anos de história, o Copacabana Palace, na zona sul do Rio de Janeiro, fechou as portas temporariamente pela primeira vez devido à pandemia do novo coronavírus. Os proprietários do icônico hotel decidiram suspender as atividades até o final de maio. Com isso, a fachada amanheceu nesta quinta-feira (9) cercada por grades de proteção.

Para fazer a manutenção do prédio quase centenário, uma equipe reduzida vai continuar trabalhando para garantir a limpeza e a segurança de piscina, três restaurantes e os mais de 230 apartamentos.

Segundo informações da Record TV, o último hospede a deixar o hotel saiu na última segunda-feira (6). No entanto, um morador ilustre deve permanecer nas dependências: o cantor Jorge Ben Jor, que vive no local desde 2018.

Em nota, o grupo Belmond Copacabana Palace informou que a indústria do turismo foi a mais afetada no mundo inteiro e que espera em breve abrir nossas portas para continuar encantando hóspedes e clientes.

Segundo dados do Hotéis Rio, no início de março, a ocupação da rede hoteleira estava em torno de 70%. Atualmente, devido à pandemia do coronavírus, a hotelaria conta com menos de 5% dos quartos ocupados.

O número de hotéis que suspenderam temporariamente as operações já chega a 60, o que fez com que a oferta de quartos caísse de 54 mil para cerca de 20 mil. Diante do cenário, aproximadamente 5 mil empregos estão ameaçados, e a estimativa é de demissão de 20% dos funcionários.