Rio de Janeiro Em vídeo, supostos PMs obrigam jovens a praticar ato sexual no RJ

Em vídeo, supostos PMs obrigam jovens a praticar ato sexual no RJ

Caso ocorreu no último domingo (7), na estação de trem do Maracanã, na zona norte; mãe de uma das vítimas prestou queixa na Corregedoria

Vídeo jovens macaranã

Caso ocorreu na estação de trêm Maracanã por volta das 15h

Caso ocorreu na estação de trêm Maracanã por volta das 15h

Reprodução/Facebook

A Corregedoria da Polícia Militar confirmou, nesta terça-feira (9), que investiga um vídeo que circula nas redes sociais, no qual supostos policiais militares obrigam dois jovens, sendo um menor de idade, a praticar relações sexuais. O caso aconteceu na tarde do último domingo (7), na estação de trem do Maracanã, zona norte do Rio de Janeiro

Leia mais: RJ: Jovens em situação de vulnerabilidade vão estagiar no Detran

Segundo a mãe de uma das vítimas, Djenane Garcia Lima, os adolescentes saíram de Paracambi, na Região Metropolitana. Eles estavam a caminho da estação de São Francisco Xavier, também na zona norte da capital, para comprar drogas quando foram abordados pelos suspeitos dentro dos vagões.

Ainda de acordo com Djenane, os dois foram levados pelos policiais para um ambiente que não tinha câmeras de segurança. No local, dez homens, sendo um funcionário da empresa que administra os trens, forçaram os jovens a praticar o ato sexual entre eles.

"Estou muito indignada com o que aconteceu, não só com o meu filho, mas com o outro rapaz também. Isso é um constrangimeto para nós [família]", disse a mãe. 

O caso foi registrado na última segunda-feira (8) na 3ª Delegacia Polícia Judiciária Militar, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Nesta tarde, a Corregedoria solicitou o comparecimento das vítimas à delegacia para fazer o reconhecimento dos suspeitos envolvidos no caso.

Em nota, a Polícia Militar informou que não é possível identificar os agentes pelas imagens mostradas no vídeo. Já a Corregedoria disse que realiza diligências para verificar se há envolvimento de policiais militares na denúncia.

Por outro lado, a SuperVia, empresa que administra os trens, afirmou que verificou as imagens das câmeras de segurança da estação Maracanã no domingo e não encontrou o registro deste fato.

*Estágiarias do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira