Morte de Marielle Franco
Rio de Janeiro Ex-deputados presos prestam depoimento sobre caso Marielle

Ex-deputados presos prestam depoimento sobre caso Marielle

Edson Albertassi e Paulo Melo foram ouvidos na condição de testemunhas na linha de investigação que aponta motivação política

Edson Albertassi e Paulo Melo prestam depoimento sobre caso Marielle

Paulo Melo (à esq.) e Edson Albertassi (à dir.) durante prisão feita pela PF

Paulo Melo (à esq.) e Edson Albertassi (à dir.) durante prisão feita pela PF

Montagem com fotos de Fernando Frazão/Agência Brasil

Os ex-deputados estaduais Edson Albertassi e Paulo Melo, ambos presos em desdobramentos da Lava Jato, prestaram depoimento nesta quinta-feira (24) sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, na DH-Capital (Delegacia de Homicídios), na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.

O delegado Antônio Ricardo, diretor do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), confirmou ao R7 que os dois foram ouvidos na condição de testemunhas na linha de investigação que aponta motivação política. 

Em setembro deste ano, a PGR (Procuradoria-Geral da República) denunciou o também ex-deputado e conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Rio, Domingos Brazão, em um inquérito paralelo às investigações da Polícia Civil.

De acordo com a polícia, pessoas envolvidas com grupos de milícia podem ter encomendado a morte de Marielle, em março de 2018, na região central do Rio de Janeiro.

Também em março deste ano, a Polícia Civil prendeu Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, suspeitos de executar a vereadora e o motorista. Segundo o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), a dupla planejou o assassinato de Marielle por, pelo menos, três meses.

Prisões

Os ex-deputados Paulo Melo e Edson Albertassi estão presos há cerca de dois anos após serem alvos da operação Cadeia Velha, que investigou benefícios fiscais a determinadas empresas e empreiteiras no Estado. De acordo com a Polícia Federal, o Rio deixou de arrecadar R$ 183 bilhões em tributos no período de cinco anos devido ao esquema.

Em março, Edson e Paulo, além de Jorge Picciani, foram condenados pelo TRF 2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) pelos crimes investigados na operação Cadeia Velha.

A defesa do ex-deputado Edson Albertassi disse que ele foi ouvido na qualidade de testemunha, por aproximadamente três horas. Ele também informou que Albertassi respondeu todas as perguntas formuladas pelo delegado e as promotoras. 

O R7 tentou entrar em contato com a defesa de Paulo Melo, mas não obteve retorno até a publicação da matéria. O portal mantém o espaço aberto para manifestação dos citados.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira