Rio de Janeiro Filha da 'Rainha das Plásticas' defende mãe em vídeo

Filha da 'Rainha das Plásticas' defende mãe em vídeo

Patrícia Granjeão divulgou posicionamento após mãe ser indiciada por comunicação falsa sobre desaparecimento da jovem

A filha de Wania Tavares, conhecida como 'Rainha das Plásticas', defendeu a mãe em um vídeo após a mãe ter sido indiciada pela Polícia Civil na última quinta-feira (7) por comunicação falsa sobre o desaparecimento da jovem.

Filha defendeu a mãe em um vídeo

Filha defendeu a mãe em um vídeo

Reprodução

Patrícia Granjeão, de 26 anos, afirmou que não desmentiu a mãe em depoimento e que errou por não ter entrado em contato com ela na terça-feira (6).

A jovem explicou que falou com Wania na terça (5) quando já estava na casa de uma amiga, onde passou a noite. Porém, no dia seguinte, não conversou com ela  por meio de mensagens de voz, o que teria a preocupado.

"Quero deixar bem claro que eu não desmenti a minha mãe, porque eu realmente não mandei mensagem de voz para ela. Por isso, ela ficou desconfiada, com toda a razão, porque como ela já tem uma certa fama e tudo mais, ela teve esse receio", disse Patrícia.

A estudante de Medicina Veterinária na UFF (Universidade Federal Fluminense) lamentou a situação e declarou que o posicionamento tem como objetivo evitar julgamentos. 

"Eu só não quero que a gente culpe quem não tem culpa. Como já saiu muita mentira, quero esclarecer que não desmenti minha mãe e assumi meu erro desde o princípio", afirmou.

O caso

A 'Rainha das Plásticas' foi indiciada por falsidade ideológica na última quarta-feira (7) após dar informações falsas, segundo a polícia, sobre o suposto desaparecimento da filha Patrícia Granjeão.

Wania afirmou à polícia e à imprensa que não via a jovem há dois dias, após Patrícia sair de casa no Grajaú, zona norte do Rio de Janeiro.

Em entrevista à Record TV Rio, ela disse que o último contato com a filha foi por um aplicativo de mensagens. Patricia teria afirmado que dormiria na casa de uma amiga por conta do horário, mas Wania foi posteriormente informada de que a filha não estava no local.

No entanto, horas depois, a jovem foi encontrada por policiais da 20ª DP (Vila Isabel) e afirmou que nunca esteve desaparecida. Segundo o delegado Cristiano Maia, Patrícia disse que Wania sabia de seu paradeiro desde as 9h, quando ela ligou para a mãe após ver a repercussão do caso.

Caso MC Atrevida

A 'Rainha das Plásticas' foi indiciada em dezembro pela morte da cantora Fernanda Rodrigues, conhecida como MC Atrevida, após uma hidrolipo em julho do ano passado. No procedimento, foi retirada gordura das costas para injetar nos glúteos. Wania e o médico Wilson Jara, responsável pela cirurgia, vão responder por homicídio doloso, quando há intenção de matar. A clínica está interditada.

Em entrevista exclusiva à Record TV Rio em agosto de 2020, Wania declarou que a clínica não tinha irregularidades e que o médico que operou MC Atrevida era habilitado para realizar o procedimento. No entanto, segundo a polícia, Wilson Jara só tinha registro ativo em ginecologia no Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro).

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas