Rio de Janeiro "Foi para me humilhar", diz Najila sobre atitude de Neymar 

"Foi para me humilhar", diz Najila sobre atitude de Neymar 

A modelo foi ouvida na DRCI sobre o inquérito que apura se houve crime na divulgação de imagens íntimas publicadas na rede social do jogador

Depoimento Najila Trindade

A modelo Najila Trindade prestou depoimento no Rio de Janeiro

A modelo Najila Trindade prestou depoimento no Rio de Janeiro

Reprodução Record TV

Após deixar a DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática), no Jacarezinho, zona norte do Rio de Janeiro, na tarde desta quarta-feira (11), a modelo Najila Trindade disse aos jornalistas que o jogador Neymar expôs a conversa entre eles para humilhá-la. 

Leia mais: Polícia procura adolescente que sumiu a caminho da escola no RJ

“Foi um crime óbvio que ele cometeu, de exposição, para me humilhar, para se vingar. Eu fui muito corajosa de enfrentá-lo” disse Najila. 

Perguntada como estava sua vida profissional, a modelo disse que ainda não conseguiu elaborar a respeito, pois primeiramente está tentando se reequilibrar emocionalmente.

“Está bem complicado. Não estou tendo vida no momento. Só estou preocupada em me cuidar, em ficar bem emocionalmente e fisicamente, cuidar do meu filho, pois minha família está bem abalada”, afirmou a modelo. 

Najila chegou por volta das 14h para ser ouvida no inquérito que apura se houve crime na divulgação de imagens íntimas publicadas na rede social do jogador Neymar.

O depoimento durou cerca de 40 minutos. Foram feitas cinco perguntas para a modelo: se ela conversava com o jogador; se era a mulher que aparecia nas fotos; como ficou sabendo do ocorrido; se havia autorizado a divulgação das mensagens e das imagens de Neymar.

Najila negou ter permitido o compartilhamento do conteúdo, segundo informações obtidas pela Record TV Rio.

Após ouvir a modelo, o delegado que preside o inquérito, Pablo Sartori, titular da Delegacia de DRCI,  disse que vai pedir a prorrogação do inquérito por mais 30 dias, já que Najila demorou muito a depor e também porque o MP (Ministério Público) requisitou informações referentes ao inquérito de São Paulo.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Ana Vinhas