Rio de Janeiro Forças Armadas se reúnem na Operação Poseidon 2021 no RJ

Forças Armadas se reúnem na Operação Poseidon 2021 no RJ

Pela 1ª vez helicópteros da Marinha, do Exército e da Força Aérea, realizarão exercícios no Navio Aeródromo Multipropósito Atlântico

Na missão trabalham cerca de 830 militares; navio tem 203,43 m e comporta 21.578 toneladas

Na missão trabalham cerca de 830 militares; navio tem 203,43 m e comporta 21.578 toneladas

Reprodução/ Marinha do Brasil

O Ministério da Defesa coordena a Operação Poseidon 2021, que acontece desde o dia 28 de agosto e vai até 04 de setembro, no Estado do Rio de Janeiro. Pela primeira vez na história das Forças Armadas, helicópteros da Marinha, do Exército e da Força Aérea, realizam exercícios no NAM (Navio Aeródromo Multipropósito Atlântico) em movimento.

Além da capacitação no pouso com o navio em movimento, as Forças realizarão exercício de infiltração de mergulhadores de combate, evacuação aeromédica de feridos e tiro real sobre alvo à deriva. Serão empregados na missão cerca de 830 militares.

Exercícios da Operação Poseidon 2021

Durante a operação Poseidon 2021, coordenada pelo Ministério da Defesa, foram realizados diversos exercícios a bordo do navio capitânia da esquadra brasileira, entre eles técnicas de infiltração por aeronaves, como o “Fast Rope”. Nesse tipo de exercício, ocorre a descida de uma equipe de operações especiais com rapidez e surpresa, a partir de um helicóptero, utilizando um cabo especial para a descida.

Trata-se da aproximação do helicóptero em baixa altitude e de seu posicionamento sobre o local de desembarque com o máximo de ocultação possível, de maneira a garantir a surpresa e um menor tempo de exposição.

Já no exercício de qualificação e requalificação em pouso a bordo, as atividades são voltadas para a familiarização das tripulações, das aeronaves e do navio, na operação de pouso e decolagem, com o navio em movimento. Isso contribui para a garantia da segurança das operações aéreas embarcadas.

No exercício de hangaragem, uma aeronave estaciona em um local protegido das ações do tempo, como chuva, fortes ventos e outra intempéries. Além disso, no hangar é possível executar as manutenções necessárias com segurança. Essa manobra é utilizada para reduzir o espaço ocupado pelo helicóptero e é necessário a dobragem das hélices.

Além disso, em outro tipo de exercício, conhecido como homem ao mar, todos os militares do navio no mar, ou mesmo durante a sua estadia nos portos, devem estar prontos para recolher um ou mais tripulantes que tenham caído na água. A probabilidade de salvamento de um homem ou mulher que tenha caído no mar depende muito da rapidez do recolhimento.

Outro exercício importantíssimo é a evacuação aeromédica que consiste no transporte por via aérea de militares ou civis, feridos ou enfermos. É realizada em tempo de paz ou em situação de conflito, a partir da frente de combate ou de um local com recursos médicos limitados ou inexistentes, para outro provido dos meios necessários à assistência adequada.

Por fim, no exercício de tiro em alvo na superfície à deriva o objetivo é treinar as tripulações dos meios navais e aeronavais na execução do tiro real e aferir a precisão de seus armamentos. Abre-se fogo sobre um alvo figurativo inimigo flutuando na superfície do mar.

Navio Aeródromo Multipropósito Atlântico

O NAM Atlântico é capaz de realizar deslocamento estratégico de uma força de helicópteros para atuar em diversos cenários, quais sejam: missão de paz; operar com uma força de helicópteros embarcada em apoio às ações de caráter humanitário, entre outras ações. Tem capacidade para transportar até 16 aeronaves de asa rotativa e possui um vasto histórico em ações de guerra e humanitárias.

Tem capacidade, também, para operar simultaneamente até sete aeronaves em seu convés de voo e transportar até doze aeronaves em seu hangar, podendo utilizar todos os tipos de helicópteros pertencentes aos esquadrões da Marinha do Brasil.

Principais características do navio

- Comprimento total: 203,43 m;
- Deslocamento carregado: 21.578 Ton;
- Velocidade Máxima Mantida (VMM) prevista em projeto: 18,0 nós;
- Raio de ação: 8.000 milhas náuticas;
- Convés de voo: 170 m;
- Calado da Navegação: 6,5 m; e
- Largura do Convés de Voo: 32,6 m

*Estagiário do R7 sob supervisão de Celso Fonseca 

Últimas