Furna da Onça: Alerj tem 24 horas para decidir sobre três prisões

Decisão do STF diz respeitos aos deputados Luiz Martins, André Correa e Marcus Vinícius, que foram detidos um mês antes de serem reeleitos

Alerj tem prazo de 24h para decidir sobre manutenção da prisão

Alerj tem prazo de 24h para decidir sobre manutenção da prisão

Divulgação/Alerj

A Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) tem um prazo de 24 horas para decidir sobre a manutenção das prisões de três deputados detidos na Operação Furna da Onça.

O relator do processo no TRF2 (Tribunal Regional da 2ª Região), o desembargador Abel Gomes, enviou um ofício à Casa Legislativa, no qual determina que sejam analisados os casos de Luiz Martins (PDT), André Correa (DEM) e Marcus Vinícius (PTB). 

Leia mais:

No documento, Gomes destaca que a decisão atende a uma ordem da ministra  Carmem Lúcia, após reclamação dos parlamentares junto ao STF (Supremo Tribunal Federal). 

Os três deputados estão presos desde novembro de 2018. No entanto, eles foram reeleitos um mês antes da Operação Furna da Onça ser deflagrada.

O TRF2 confirmou, às 17h40, que o presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), havia recebido o ofício em mãos de um oficial de justiça.

Operação Furna da Onça

Deflagrada em novembro de 2018, a Operação Furna da Onça levou para cadeia 10 deputados estaduais suspeitos de participação em um esquema de pagamento de propinas na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). 

De acordo com as investigações, o esquema movimentou cerca de R$ 54,5 milhões entre 2011 e 2014, durante o segundo governo de Sérgio Cabral.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira