Morte de Marielle Franco
Rio de Janeiro General sabe quem matou Marielle e quer prender todos de uma vez

General sabe quem matou Marielle e quer prender todos de uma vez

Vereadora e seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados em 14 de março. Secretário de Segurança Pública espera solução em até 40 dias

Marielle foi morta após sair de um evento no centro do Rio

Marielle foi morta após sair de um evento no centro do Rio

Getty Images / Emmanuele Contini / NurPhoto

O Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, general Richard Nunes, confirmou que os assassinos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes em março deste ano já foram identificados e quer prendê-los todos de uma vez.

Leia mais: PF investiga atuação de organização criminosa em morte

O general afirmou ainda que agora a polícia trabalha para produzir provas cabais para que o inquérito seja enviado para a Justiça de maneira que assegure que os denunciados não sejam inocentados.

"O problema todo é criar uma narrativa consistente ligando estes atores com provas cabais. Seria um fracasso se a sociedade observasse esses indiciados não fossem condenados", disse Nunes.

Arte / R7

O general confirmou ainda que milicianos estão envolvidos e que espera concluir a investigação, que já tem 14 volumes, em até 40 dias.

As declarações foram dadas em uma entrevista ao canal Globo News.

Assassinato completa 8 meses sem solução

O assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL), 38 anos, e do motorista Anderson Pedro Gomes, 39 anos, completou oito meses na última quarta-feira (14). 

Recentemente o Governo Federal decidiu envolver a Polícia Federal nas investigações, alegando que existe uma facção criminosa tem dificuldado a solução do crime.

Para a viúva de Marielle, Mônica Benício, parentes, amigos e ativistas, a vereadora e o motorista foram executados. Independentemente das investigações, eles preservam as bandeiras de Marielle e suas propostas em defesa de ações para a inclusão das mulheres, negros e do público LGBT.

Arte / R7