Governo do RJ cria comitê para fiscalizar hospitais de campanha

Medida foi tomada após denúncias sobre irregularidades em contratos, atrasos em inaugurações de unidades e troca do secretário de Saúde 

Fernando Ferry é o novo secretário de Saúde do Rio

Fernando Ferry é o novo secretário de Saúde do Rio

Divulgação/Governo do RJ

Em meio às denúncias sobre fraudes em contratos e mudanças no comando da Secretaria de Saúde, o governo do Rio de Janeiro instalou, nesta segunda-feira (18), um Comitê de Supervisão dos Hospitais de Campanha para fiscalizar a administração das unidades exclusivas para tratamentos de pacientes com covid-19.

O governo estadual anunciou que irá inspecionar "em todos os aspectos" os contratos com a organização social Iabas em relação à administração dos hospitais de campanha do Maracanã, de São Gonçalo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Casimiro de Abreu, Nova Friburgo e Campos dos Goytacazes.

O núcleo será coordenado pelo vice-governador Cláudio Castro, com apoio das secretarias Governo, Casa Civil, Saúde, Infraestrutura e Obras e Defesa Civil, além da Procuradoria Geral do Estado e da Controladoria Geral do Estado.

"O comitê tem o objetivo de dar todo o apoio necessário à Secretaria de Saúde para que a gente possa superar este momento de crise. Não podemos deixar que existam leitos não utilizados nesses hospitais de campanha enquanto há gente morrendo de coronavírus", disse o vice-governador Cláudio Castro.

Entre as denúncias envolvendo a Secretaria Estadual de Saúde está a fraude em contratos para aquisição de respiradores para hospitais de campanha. Na semana passada, a Operação Mercadores do Caos prendeu o ex-subsecretário Gabriell Neves.

No hospital de campanha do Maracanã, inaugurado há 15 dias, profissionais da saúde revelaram que cerca de 20 respiradores, equipamentos essenciais para o tratamento de pacientes graves, foram retirados da unidade para serem levados ao hospital de São Gonçalo, que deveria ter começado a funcionar no último fim de semana.

Em razão de "falhas na gestão de infraestrutura dos hospitais de campanha para atender às vítimas da covid-19”, o governador Wilson Witzel exonerou o secretário de Saúde, Edmar Santos, no domingo (17). No lugar dele, assumiu Fernando Ferry, diretor-geral do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle.