Jovem atingido por reboco de viaduto há um ano no Rio está tetraplégico

Marlon Jean mora com pai em apartamento na zona oeste e tem assistência 24 horas por dia

Marlon Jean não consegue se alimentar nem se mover sozinho
Marlon Jean não consegue se alimentar nem se mover sozinho Reprodução Rede Record

O jovem que foi atingido por um reboco na cabeça há um ano está tetraplégico. O acidente completou um ano nesta quinta-feira (3). Marlon Jean foi atingido por um reboco que despencou de um viaduto que passa por cima da estação de trem de Del Castilho.

De acordo com o pai do jovem, Matteo Júnior, Marlon está com o joelho junto ao tórax e não consegue mais falar normalmente. Desde que o filho sofreu o acidente, Matteo conseguiu uma tutela e um apartamento do Minha Casa, Minha Vida, em Jacarepaguá, zona oeste, para cuidar de Marlon.  Ele diz ter ido atrás dos melhores profissionais para cuidar do filho, mas todo serviço foi concentrado em uma única empresa de assistência domiciliar.

Segundo Matteo, antes do acidente Marlon corria, estudava, e tinha sonho de se tornar engenheiro civil. Agora, ele precisa de assistência 24 horas por dia para que possa se alimentar, se movimentar e tomar banho. Ele diz que desde que começou o tratamento com fonoaudióloga, o jovem disse apenas uma frase.

— Ele conseguiu falar: “Pai, eu te amo”.

Matteo afirma que em nenhum momento a SuperVia, responsável pela administração dos trens urbanos do Rio, se pronunciou sobre o caso.

— Isso não é uma fatalidade, é uma irresponsabilidade pública.

A SuperVia informou que prestou atendimento imediato ao passageiro e acionou os órgãos competentes para que o atendimento adequado fosse prestado e disse que a responsabilidade do viaduto é da prefeitura. Já a secretaria de Obras informou que o viaduto foi reformado em fevereiro.

Veja a reportagem: