Rio de Janeiro Justiça manda soltar jovem preso em operação no Salgueiro

Justiça manda soltar jovem preso em operação no Salgueiro

Desembargadora ressaltou que Thiago Marques não tem anotações criminais. Rapaz foi acusado de trocar tiros com policiais

  • Rio de Janeiro | Victor Tozo, do R7*, com Record TV Rio

Thiago foi solto nesta quinta-feira (5)

Thiago foi solto nesta quinta-feira (5)

Reprodução/Record TV Rio

O estoquista Thiago Marques de Oliveira, de 28 anos, ferido e preso durante uma operação policial no Morro do Salgueiro, no último sábado (31), acusado pela polícia de envolvimento com o tráfico de drogas e de ter participado de troca de tiros, deixou o presídio em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio, nesta quinta-feira (5), após decisão da Justiça.

A desembargadora Gizelda Leitão Teixeira destacou que o rapaz comprovou por meio da Carteira de Trabalho que exerce atividade lícita desde 2012 e que ele não tem anotações criminais. Além disso, ressaltou que não há indícios de que Thiago seja integrante do tráfico local e que ele não mora na comunidade há anos. 

Emocionado, Thiago disse em entrevista ao Balanço Geral que espera encontrar o filho e voltar a trabalhar. Ao falar sobre o tempo que ficou preso, ele prestou solidariedade a outras pessoas que estão detidas injustamente: “É desumano, tem gente ali dentro que não merece passar frio do jeito que eu passei esses dias. Muita gente ali não fez nada e está pagando. Eu tive condições de sair, e quem não tem?", questionou.

Na última terça (3), a Justiça havia negado a liberdade de Thiago. Segundo a juíza, não havia mecanismos suficientes para analisar o caso e garantir a soltura do jovem.

Familiares se empenharam para provar a inocência do rapaz, reunindo documentos que comprovaram que Thiago trabalhava de carteira assinada como estoquista desde 2019 e procurando representantes da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) e da Defensoria Pública.

O primo do jovem, Leonardo de Oliveira Leite, testemunhou o momento da operação e afirmou que Thiago não era morador do Salgueiro e tinha ido ao local com o pai para retirar uma cesta básica. Depois, os dois teriam ido ao encontro de Leonardo e outros familiares em um bar.

De acordo com o primo, criminosos e policiais que estavam escondidos em uma laje iniciaram uma troca de tiros. Uma das sobrinhas de 14 anos foi baleada na perna e socorrida por Thiago.

Leonardo contou que Thiago e a sobrinha foram levados ao hospital em uma viatura. Mas, ao receber alta, o jovem foi algemado e encaminhado à delegacia, onde a família foi informada das acusações. O primo afirmou, ainda, que agentes zombaram dos familiares que foram até a unidade policial para atestar a inocência de Thiago.

Em nota, a Polícia Militar declarou que agentes da UPP Salgueiro foram atacados a tiros por criminosos durante um patrulhamento e, após troca de tiros, três homens armados foram encontrados feridos e caídos no solo e socorridos ao Hospital Federal do Andaraí, assim como uma adolescente atingida por estilhaços na perna. Um dos feridos seria o gerente do tráfico local, conhecido como Belo, que acabou morrendo.

Ainda de acordo com a polícia, todas as circunstâncias da ação estão sendo apuradas pela Delegacia de Homicídios da Polícia Civil e por um inquérito interno da Polícial Militar. Os dois procedimentos serão acompanhados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas