Morte de Marielle Franco
Rio de Janeiro Miliciano suspeito no caso Marielle é condenado por porte ilegal de arma

Miliciano suspeito no caso Marielle é condenado por porte ilegal de arma

 Ele havia sido preso com uma pistola e munições em casa e está preso em um presídio federal pela suspeita na morte de vereadora e seu motorista

Miliciano suspeito no caso Marielle é condenado por porte ilegal de arma

Orlando foi preso em sua casa em Vargem Pequena, zona oeste do RJ

Orlando foi preso em sua casa em Vargem Pequena, zona oeste do RJ

Divulgação/PC-RJ

O ex-Policial Militar Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como Curicica, foi condenado na última quarta-feira (30) pelo TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) a quatro anos e um mês de prisão por posse ilegal de armas. Orlando é apontado por uma testemunha de ter participado das mortes da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes.

Em outubro de 2017, policiais civis apreenderam na casa de Orlando, uma pistola 9 mm acompanhada de 64 munições e 3 carregadores, além de peças de coletes a prova de balas roupas camufladas.

Na sentença, a juíza Paula Fernandes Machado da 5ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, condenou Orlando com base nas provas produzidas pela investigação da Polícia Civil, sem deixar de citar também seu antecedente criminal e o caso do qual da morte da vereadora e seu motorista.

"Além de possuir mau antecedente e da presente condenação, Orlando responde a processos por crimes de organização criminosa armada e homicídio qualificado, sendo, ainda, investigado por participação no assassinato da Vereadora Marielle Franco, crime hediondo com grande repercussão no País e no mundo", escreveu a Juíza em sua decisão.

Em seu depoimento, Orlando chegou a negar que as armas e a casa onde foi encontrado na época seriam suas e classificou a ação dos policiais que fizeram sua prisão como "uma palhaçada". Sua defesa chegou a tentar converter a pena deste processo em restrição de direitos, mas a juíza, baseado nos antecedentes de Orlando, decidiu rejeitar o pedido.

A decisão da Justiça cabe recurso. Atualmente Orlando está preso em uma penitenciária Federal, após um pedido da Justiça, justamente pelo suposto envolvimento na morte da vereadora e seu motorista. 

O R7 tentou contato por telefone com o advogado Pablo Filipe Morais, responsável pela defesa de Orlando no processo em que foi condenado, mas até o momento da publicação desta reportagem, não obteve retorno.