MP vai denunciar Bandeira de Mello por incêndio no Ninho do Urubu

Além do ex-presidente do Fla, membros da antiga e atual gestão do clube, além de funcionários da empresa de contêiner responderão por incidente

Bandeira foi presidente do Flamengo entre 2013 e 2018

Bandeira foi presidente do Flamengo entre 2013 e 2018

Reprodução/Redes Sociais

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) divulgou nesta segunda-feira (29) que irá denunciar o ex-presidente do Flamengo Eduardo Bandeira de Mello pelo incêndio de fevereiro de 2019 no CT Ninho do Urubu, em Vargem Grande, zona oeste do Rio de Janeiro.

Pai de vítima do Ninho do Urubu isenta Flamengo: 'Foi fatalidade'

Segundo o MP-RJ, as investigações da Polícia Civil apontam para a responsabilização de Bandeira de Mello e de integrantes da antiga gestão do Flamengo, assim como da atual também. A denúncia também responsabilizará os prestadores de serviços responsáveis por adaptar os contêineres incendiados utilizados como dormitório.

A denúncia, que será entregue em breve ao TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), entretanto, não pode afirmar que a morte dos dez jovens da base do Flamengo é resultado de dolo eventual - quando se assume o risco de um evento, mesmo sem intenção. Outros três garotos da base rubro-negra também ficaram feridos durante o incidente.

Embora não tenha encontrado dolo eventual, o MP-RJ destaca que “não restam dúvidas, diante das provas produzidas em sede policial, que uma série de condutas imprudentes e negligentes, por ação e omissão, em tese praticadas pelos indiciados, de fato concorreram de forma eficaz para a ocorrência do incêndio, bem como das mortes e ferimentos dele decorrentes.

Em nota, o órgão informou que Bandeira de Mello e demais indiciados responderão por incêndio culposo, com resultado de dez homicídios culposos - quando não há intenção de matar - e três crimes de lesão corporal, também culposa.

Mãe de vítima do Ninho do Urubu desabafa: 'Só recebi humilhação'

O MP-RJ também afirmou que o incidente no Ninho do Urubu “expôs a forma negligente com que um dos maiores clubes do país tratava seus atletas de base” e que isto afetou a imagem de todo futebol brasileiro. O órgão também ressaltou que o Flamengo tenta “mitigar pagamentos de indenizações”, o que aumentaria o desespero das famílias afetadas pelo incêndio.

Em nota, o ex-presidente do Flamengo Eduardo Bandeira de Mello disse que tomou conhecimento por meio da imprensa sobre a conclusão do inquérito policial quanto a ocorrência de homicidio doloso, alterando para incêndio culposo.

"Em nenhum momento meus advogados fizeram qualquer pedido de acordo junto ao Ministério Publico uma vez que tenho certeza e total confiança de que as acusações serão inteiramente afastadas pela Justiça, que a verdade dos fatos prevalecerá ao final e  que ficará comprovada minha absoluta inocência com relação ao tragico acidente. Por fim, sigo inteiramente solidário à dor das famílias que foram destroçadas por esse triste episódio e espero que elas tenham seu justo pleito de reparação atendido", escreveu.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa

Veja quais são os times que estão há mais tempo na fila do Brasileirão