Coronavírus

Rio de Janeiro No Rio, vacinação em massa da Maré alcança 36 mil moradores

No Rio, vacinação em massa da Maré alcança 36 mil moradores

Taxa de letalidade da covid na comunidade caiu 86% desde implementação do projeto, segundo Fiocruz

Moradores da Maré, zona norte do Rio, são vacinados com Astrazeneca

Moradores da Maré, zona norte do Rio, são vacinados com Astrazeneca

Fernando Frazão/Agência Brasil

A primeira fase da campanha #VacinaMaré imunizou cerca de 36 mil moradores da comunidade da zona norte do Rio, com pelo menos uma dose do imunizante AstraZeneca, produzido pela Fiocruz. O número superou a meta inicial de 31 mil pessoas vacinadas e ainda deve aumentar, porque, nesta quarta-feira (4), os moradores a partir de 18 anos continuam sendo vacinados nas unidades de saúde da Maré e continua a busca ativa entre aqueles que não se vacinaram.

Ontem, em visita à comunidade, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, fez um balanço da ação e destascou os resultados. Participaram da visita os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga, e do Turismo, Gilson Machado, o secretário Municipal de Saúde, Daniel Soranz, e a secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Melo.

Uma ampla mobilização no território, com ações de comunicação e esclarecimento aos moradores fez parte da estratégia da campanha, que agregou uma rede de voluntários e parceiros locais.Para Nísia Trindade, a mobilização na Maré é exemplar.

“A mobilização demonstra a importância da associação entre a academia, movimentos sociais e gestão do SUS (Sistema Único de Saúde)." Ela ressaltou que deve existir uma "conjunção entre a mobilização da sociedade e as políticas públicas”.

Pesquisa

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participou do balanço da ação na comunidade

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participou do balanço da ação na comunidade

Fernando Frazão/Agência Brasil

A vacinação em massa na Maré, que faz parte de uma pesquisa da Fiocruz e tem o apoio da Secretaria Municipal de Saúde do Rio e da ONG Redes da Maré, oferecerá dados para mapear a dinâmica de circulação do vírus no município e no país.

O ministro Marcelo Queiroga afirmou que iniciativas como esta demonstram que o Brasil está no caminho certo para o combate à covid-19. “Esse ato representa o esforço de todos nós para conhecermos mais sobre a covid-19 e a pandemia que tanta tristeza têm trazido ao povo. As estratégias visam trazer respostas que ainda não temos, para que possamos orientar o futuro da nossa campanha nacional de imunização”, observou.

A expectativa é de que, com uma ampla cobertura da população vacinada, e com pelo menos uma dose da vacina contra a doença, casos graves e óbitos provocados pela covid-19 diminuam na Maré. A vacinação em massa e a testagem em grande escala da população são os dois pilares do estudo, que é um desdobramento de diversas ações de saúde pública e mobilização social, implementadas no complexo desde junho do ano passado, com o projeto Conexão Saúde - De Olho na Covid. De acordo com a Fiocruz, desde o início da pandemia, com a implementação do projeto, a taxa de letalidade na Maré caiu 86%.

Segunda fase

A campanha vai continuar com o estudo liderado pela Fiocruz que vai acompanhar, a partir de agora e durante seis meses, os efeitos da vacina em cerca de 8 mil pessoas de 2 mil famílias da Maré. A pesquisa também vai monitorar a circulação de variantes da covid-19 entre os moradores, a ocorrência de casos entre pessoas vacinadas e o nível de proteção de crianças e adolescentes não vacinados.

O projeto, que hoje é referência no combate à pandemia em territórios de favelas, oferece gratuitamente serviços de testagem, telessaúde e apoio no isolamento domiciliar a pessoas com covid-19 e foi preponderante para o avanço da pesquisa entre os moradores da Maré.O esquema de vacinação em massa incluiu 145 pontos de vacinação, entre unidades de saúde, escolas, Vila Olímpica e associações de moradores, 500 profissionais de saúde da Prefeitura e 1.620 voluntários.

Últimas