Rio de Janeiro Pai de ex-secretário da Prefeitura do Rio é preso durante operação contra desvio de cargas

Pai de ex-secretário da Prefeitura do Rio é preso durante operação contra desvio de cargas

Vereador Willian Coelho é investigado por extravio de trilhos do Metrô Rio; até o momento, cinco pessoas foram presas na ação

  • Rio de Janeiro | Victor Tozo, do R7*, com Mayara Decothé, da Record TV Rio

Vereador é investigado por participar de esquema criminoso

Vereador é investigado por participar de esquema criminoso

Divulgação/Prefeitura do Rio

A Polícia Civil e o Ministério Público estadual realizam, nesta quarta-feira (3), a terceira fase da Operação Resina, que tem como alvos participantes de uma organização criminosa especializada em roubos de carga no Rio de Janeiro.

A ação, de acordo com o delegado João Valentim, tem o objetivo de cumprir sete mandados de prisão e 28 de busca e apreensão em endereços ligados a empresários, proprietários e motoristas de caminhões em diversos municípios do Rio, incluindo na capital. Ao todo, 21 pessoas foram indiciadas e denunciadas. O prejuízo gerado pelo grupo chega a R$ 2 milhões, segundo ele.

Até o momento, cinco pessoas foram presas, sendo duas em flagrante e três preventivamente. Entre elas, está o ex-policial civil Edson Coelho, pai do vereador e ex-secretário Municipal de Ciência e Tecnologia do Rio, Willian Coelho. Ele foi detido em flagrante por posse ilegal de arma de fogo durante uma ação de busca e apreensão na casa do parlamentar.

Willian é apontado pelas investigações como membro de um esquema de desvios dos trilhos do Metrô Rio para receptadores. Ele foi o responsável pela pasta até o últimoo dia 5 de julho, de acordo com a prefeitura.

Entre os denunciados com prisões decretadas, estão quatro empresários que atuavam como intermediários e disponibilizavam os locais onde as cargas roubadas eram guardadas até o seu destino, de acordo com o MP-RJ. Outros três são proprietários de caminhões que usavam os veículos para transportar os itens e recrutavam motoristas para a organização criminosa.

Ainda segundo o órgão, os extravios de materiais, como ferro, aço e resina, eram feitos através do registro de falsos boletins de ocorrência e delegacias. Os criminosos, associados a funcionários de transportadoras, desviavam as cargas. Após encaminharem os produtos aos receptadores, comunicavam que eles haviam sido roubados.

Em nota, a Secretaria de Governo e Integridade Pública do Rio informou que a busca e apreensão realizada em desfavor do vereador Willian Coelho não possui qualquer relação com o exercício de suas funções enquanto esteve à frente da Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia, pelo que se tem conhecimento até o momento. A prefeitura afirmou que está à disposição dos órgãos de investigação para esclarecimentos.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Odair Braz Jr.

Últimas