Penitenciária no Rio tem 17 casos suspeitos de Sarampo

RecordTV Rio flagrou parentes sendo impedidos de visitar detentos do presídio Ary Franco, em Água Santa, na zona norte, devido ao possível surto

Segundo a Seap, ao menos 17 casos são investigados

Segundo a Seap, ao menos 17 casos são investigados

Imagem: RecordTV Rio

Ao menos 17 possíveis casos de Sarampo são investigados na penitenciária Ary Franco, em Água Santa, na zona norte do Rio. A equipe da RecordTV Rio flagrou, nesta quinta-feira (12), parentes de detentos sendo impedidos de entrar no local devido a suspeita de surto da doença dentro do presídio

Em entrevista ao Cidade Alerta RJ, uma mulher contou que não teve acesso ao parente após ele ter sido transferido para outra cela, onde ficará em observação por 10 dias.

Leia mais: Sarampo: casos aumentam no RJ e só 33% do público-alvo foi vacinado

Em resposta, a Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária) não confirmou o surto de Sarampo, mas admitiu que 17 detentos estão com suspeita da doença. Os casos estão sendo monitorados e aguardam análise do Lacen (Laboratório Central Noel Nutels).

‘’As equipes seguem a orientação da Vigilância Sanitária do município e que, apesar de 17 internos terem apresentado suspeita de Sarampo, não há, até o momento, nenhum caso confirmado da doença. Informamos que outros presos que tiveram contato com estes estão em isolamento’’, afirmou a Seap.

Leia mais: Bebê de 8 meses é primeira vítima fatal de sarampo no Rio de Janeiro após 20 anos

Como medida de precaução, a pasta ainda acrescentou que todos os presos e servidores do presídio, aptos a receber a vacina, já foram imunizados.

Em 2020, a SES-RJ (Secretaria de Estado de Saúde) já registrou 276 casos de Sarampo no Estado,  sendo 91 somente na capital. O segundo município mais afetado é Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, com 53 casos.

Segundo o médico infectologista Bruno Scarpellini, locais onde a distância mínima entre as pessoas é menor do que 2 metros, como no caso de penitenciárias, o risco de contágio é maior.

‘’O ideal é a identificação precoce do caso, a vacinação de bloqueio dos contactantes e o aumento da cobertura vacinal na população, não só que está dentro da cela, mas também dos funcionários e familiares’’ informou Bruno, em entrevista à RecordTV Rio.

Sobre o Sarampo:

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, transmitida por meio de fala, tosse e espirro. Os principais sintomas são mal-estar geral, febre e manchas vermelhas, que aparecem no rosto e vão descendo por todo o corpo, além de tosse, coriza e conjuntivite.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Bruna Oliveira